Academia de Ciências aposta na excelência

  • Vice-Presidente da República, Bornito de Sousa
Luanda - A direcção da Academia Angolana de Ciências, proclamada nesta sexta-feira, definiu, como prioridade, a promoção, o reconhecimento e premiacao da excelência científica.

Durante o mandato, a direcção da associação prevê valorizar a consciencialização pública do valor da ciência no desenvolvimento sustentável e a divulgação do conhecimento científico.

De igual modo, conta emitir pareceres científicos ao Executivo sobre a elaboração de políticas públicas e outros assuntos.

Segundo o Vice-Presidente da República, Bornito de Sousa, que falava no acto da proclamação da associação, a academia chama a si a grande responsabilidade de contribuir para a abordagem de problemas locais e globais, actuais e futuros.

"É justo assinalar os objectivos nobres que norteiam esta agremiação, que há muito se fazia necessária como sujeito activo da promoção e divulgação do conhecimento científico em Angola e parceiro privilegiado dos decisores políticos, a nível dos órgãos centrais do Estado e da administração local e autárquica", declarou.

Por sua vez, a ministra do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação, Maria do Rosário Sambo, afirmou que a academia será um parceiro fundamental do Executivo para as políticas relacionadas com a ciência.

Já o coordenador da instituição, Emanuel Catumbela, afirmou que o processo de candidatura a membro da academia iniciou-se a 15 de Novembro e encerra a 31 deste mês.

Explicou que as pessoas interessadas devem preencher os requisitos previstos nos estatutos da academia, entre os quais ter o doutoramento, um número mínimo de artigos publicados em revistas nacionais ou estrangeiras, experiência em gestão de ciência e ser membro do conselho científico de um congresso.

Durante o mandato, a direcção da associação prevê valorizar a consciencialização pública do valor da ciência no desenvolvimento sustentável e a divulgação do conhecimento científico.

De igual modo, conta emitir pareceres científicos ao Executivo sobre a elaboração de políticas públicas e outros assuntos.

Segundo o Vice-Presidente da República, Bornito de Sousa, que falava no acto da proclamação da associação, a academia chama a si a grande responsabilidade de contribuir para a abordagem de problemas locais e globais, actuais e futuros.

"É justo assinalar os objectivos nobres que norteiam esta agremiação, que há muito se fazia necessária como sujeito activo da promoção e divulgação do conhecimento científico em Angola e parceiro privilegiado dos decisores políticos, a nível dos órgãos centrais do Estado e da administração local e autárquica", declarou.

Por sua vez, a ministra do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação, Maria do Rosário Sambo, afirmou que a academia será um parceiro fundamental do Executivo para as políticas relacionadas com a ciência.

Já o coordenador da instituição, Emanuel Catumbela, afirmou que o processo de candidatura a membro da academia iniciou-se a 15 de Novembro e encerra a 31 deste mês.

Explicou que as pessoas interessadas devem preencher os requisitos previstos nos estatutos da academia, entre os quais ter o doutoramento, um número mínimo de artigos publicados em revistas nacionais ou estrangeiras, experiência em gestão de ciência e ser membro do conselho científico de um congresso.