Oitenta por cento das escolas do Bengo sem água potável e energia eléctrica

Caxito – Oitenta por cento das 285 escolas públicas do Bengo não têm água potável e energia eléctrica revelou, nesta quinta-feira, em Caxito, o director da Educação, Manuel Fernando.

De acordo com o responsável, que falava na sessão de abertura do 1º Fórum Provincial sobre a Educação na província, entre os constrangimentos  consta a insuficiência de salas de aulas na maioria dos municípios, degradação de algumas infra-estruturas, falta de quadros, giz e manuais de apoio, de residências para professores nas zonas mais recônditas.

Há ainda a degradação e vandalização de instituições escolares, na sua maioria por falta de segurança e empregadas de limpeza, falta de bibliotecas e de laboratórios na grande maioria das escolas e a existência de um grande número de professores sem agregação pedagógica.

Manuel Fernando ressaltou que a educação é o primeiro sector a ser destacado quando se avalia a perfomance de uma governação, pois constitui a chave do desenvolvimento de um país.

Por sua vez, a governadora provincial do Bengo, Mara Quiosa, considera necessário melhorar a qualidade do ensino e reforçar rapidamente as competências dos profissionais do sector da educação.

A governante afirmou que a aposta actual na melhoria da qualidade do ensino e aprendizagem servirá de indicador e revelará que tipo de país haverá no futuro.

Essas mudanças, segundo a governante, farão com que os profissionais do sector da educação encarem com responsabilidade a mudança que se pretende e os desafios que se impõem.

Mas, para que tal aconteça, é preciso construir uma política educativa mais proactiva e interactiva com os indicadores de qualidade, produzindo atempadamente informações que permitam adoptar medidas correctivas no sistema.

Mara Quiosa manifestou, no entanto, a preocupação com as médias muito baixas nos testes do concurso público de ingresso na educação, realizado recentemente na província, ressaltando que tal demonstra claramente que são grandes os desafios que o sector tem pela frente.

O Gabinete Provincial da Educação controla uma rede escolar constituída por 285 escolas públicas e em termos de recursos humanos 4.768 professores, dos quais 4.017 estão efectivamente no exercício da docência.

O 1º Fórum Provincial sobre a Educação no Bengo, enquadrado nas comemorações do Dia do Educador (22 de Novembro) junta profissionais do sector para em dois dias discutir os problemas do sector na província para encontrar plataformas que permitam identificar os pontos de estrangulamento da acção educativa e buscar consensos na selecção de estratégias para a sua melhoria.  

 

De acordo com o responsável, que falava na sessão de abertura do 1º Fórum Provincial sobre a Educação na província, entre os constrangimentos  consta a insuficiência de salas de aulas na maioria dos municípios, degradação de algumas infra-estruturas, falta de quadros, giz e manuais de apoio, de residências para professores nas zonas mais recônditas.

Há ainda a degradação e vandalização de instituições escolares, na sua maioria por falta de segurança e empregadas de limpeza, falta de bibliotecas e de laboratórios na grande maioria das escolas e a existência de um grande número de professores sem agregação pedagógica.

Manuel Fernando ressaltou que a educação é o primeiro sector a ser destacado quando se avalia a perfomance de uma governação, pois constitui a chave do desenvolvimento de um país.

Por sua vez, a governadora provincial do Bengo, Mara Quiosa, considera necessário melhorar a qualidade do ensino e reforçar rapidamente as competências dos profissionais do sector da educação.

A governante afirmou que a aposta actual na melhoria da qualidade do ensino e aprendizagem servirá de indicador e revelará que tipo de país haverá no futuro.

Essas mudanças, segundo a governante, farão com que os profissionais do sector da educação encarem com responsabilidade a mudança que se pretende e os desafios que se impõem.

Mas, para que tal aconteça, é preciso construir uma política educativa mais proactiva e interactiva com os indicadores de qualidade, produzindo atempadamente informações que permitam adoptar medidas correctivas no sistema.

Mara Quiosa manifestou, no entanto, a preocupação com as médias muito baixas nos testes do concurso público de ingresso na educação, realizado recentemente na província, ressaltando que tal demonstra claramente que são grandes os desafios que o sector tem pela frente.

O Gabinete Provincial da Educação controla uma rede escolar constituída por 285 escolas públicas e em termos de recursos humanos 4.768 professores, dos quais 4.017 estão efectivamente no exercício da docência.

O 1º Fórum Provincial sobre a Educação no Bengo, enquadrado nas comemorações do Dia do Educador (22 de Novembro) junta profissionais do sector para em dois dias discutir os problemas do sector na província para encontrar plataformas que permitam identificar os pontos de estrangulamento da acção educativa e buscar consensos na selecção de estratégias para a sua melhoria.