Covid-19: Projecto de produção de sabão artesanal chega ao Zaire

  • Escolas fabricam sabão (Arquivo)
Mbanza Kongo- A província do Zaire dispõe, desde esta terça-feira, de matéria-prima para a produção de sabão artesanal destinado aos alunos da primeira e sexta classes, no âmbito do combate à propagação da Covid-19 nas instituições de ensino.

A região beneficiou de 200 bidões de óleo vegetal de 20 litros cada, 574 quilogramas de soda cáustica, 172 litros de amaciador e sete formas, entregues pelo Ministério da educação, num projecto financiado pelo Banco Mundial (BM).

Com este material, as escolas do ensino primário no Zaire poderão produzir, pelo menos, duas mil e 400 barras de sabão, semanalmente, tornando-as auto-suficientes com este principal produto para a higienização das mãos.

Luvas, máscaras faciais, viseiras, mexericos e fatos constam também do lote dos bens disponibilizados.

Para o fabrico do sabão artesanal, o sector formou 28 agentes, provenientes dos seis municípios, incluindo quatro técnicos do Gabinete Provincial da Educação.

Em declarações à ANGOP, o formador Pedro da Silva disse que o projecto visa tornar as escolas abrangidas sustentáveis e autónomas com este produto de higiene.

O também técnico da Direcção Nacional do Ensino Pré-escolar e Primário do Ministério da Educação avançou que cada instituição escolar deverá, no futuro, obter localmente a matéria-prima de que necessitará, visando a sustentabilidade do projecto.

Para o presente ano lectivo, a província do Zaire matriculou 89 mil e 588 alunos de primeira a sexta classes.

A região beneficiou de 200 bidões de óleo vegetal de 20 litros cada, 574 quilogramas de soda cáustica, 172 litros de amaciador e sete formas, entregues pelo Ministério da educação, num projecto financiado pelo Banco Mundial (BM).

Com este material, as escolas do ensino primário no Zaire poderão produzir, pelo menos, duas mil e 400 barras de sabão, semanalmente, tornando-as auto-suficientes com este principal produto para a higienização das mãos.

Luvas, máscaras faciais, viseiras, mexericos e fatos constam também do lote dos bens disponibilizados.

Para o fabrico do sabão artesanal, o sector formou 28 agentes, provenientes dos seis municípios, incluindo quatro técnicos do Gabinete Provincial da Educação.

Em declarações à ANGOP, o formador Pedro da Silva disse que o projecto visa tornar as escolas abrangidas sustentáveis e autónomas com este produto de higiene.

O também técnico da Direcção Nacional do Ensino Pré-escolar e Primário do Ministério da Educação avançou que cada instituição escolar deverá, no futuro, obter localmente a matéria-prima de que necessitará, visando a sustentabilidade do projecto.

Para o presente ano lectivo, a província do Zaire matriculou 89 mil e 588 alunos de primeira a sexta classes.