Gestor defende merenda escolar para incentivo aos alunos

Menongue - O director provincial da Educação no Cuando Cubango, Miguel Canhime, defendeu nesta terça-feira, a criação de condições, pelas administrações municipais, no âmbito da implementação do programa de Desenvolvimento Local e Combate à Pobreza, da merenda escolar.

O responsável afirmou que, para o ensino primário, a merenda escolar é um factor determinante de incentivo para a presença dos alunos nas salas de aulas.

Em declarações à ANGOP para falar sobre à fuga de crianças nas salas de aulas, o responsável afirmou que a realidade no Cuando Cubango não é muito preocupante, em função da contínua sensibilização para a inversão do quadro.

Para o director, o mais importante é a garantia de merenda escolar aos alunos, sobretudo nesta época do cultivo, uma vez que na ausência dos pais e encarregados de educação nem sempre deixam alimento para assegurar a presença das crianças nas escolas, o que determina o abandono regular destas, sobretudo nas zonas rurais.

A aproximidade entre as comunidades rurais onde as crianças circulam, de acordo com o responsável, tem permitido que estas regressem, com certa facilidade, ao ambiente do ensino e aprendizagem, em função da sensibilização contínua aos pais e encarregados de educação feita por autoridades tradicionais, entidades religiosas, associações, professores, entre outros actores sociais.

 “A criança, mesmo na ausência do pai e encarregado de educação, sabe que às 11 horas ou uma outra hora terá um pão, bolacha, sumo ou um outro tipo de alimentação. Não terá motivos para ausentar-se da sala de aulas com o pretexto de fome, uma situação que deve merecer a adequada atenção pelas autoridades de direito”, sublinhou.  

Advogou a necessidade de as administrações municipais criarem as condições permanentes da merenda nas escolas para que as crianças não abandonem as aulas, sobretudo as das zonas rurais, onde, por causa da fome, muitas preferem ser de rua e na rua a procura de serviço para alimentação.

No Cuando Cubango, no presente ano lectivo, estão matriculados, no ensino primário, em mais de 150 escolas, cerca de 120 mil alunos.

 

O responsável afirmou que, para o ensino primário, a merenda escolar é um factor determinante de incentivo para a presença dos alunos nas salas de aulas.

Em declarações à ANGOP para falar sobre à fuga de crianças nas salas de aulas, o responsável afirmou que a realidade no Cuando Cubango não é muito preocupante, em função da contínua sensibilização para a inversão do quadro.

Para o director, o mais importante é a garantia de merenda escolar aos alunos, sobretudo nesta época do cultivo, uma vez que na ausência dos pais e encarregados de educação nem sempre deixam alimento para assegurar a presença das crianças nas escolas, o que determina o abandono regular destas, sobretudo nas zonas rurais.

A aproximidade entre as comunidades rurais onde as crianças circulam, de acordo com o responsável, tem permitido que estas regressem, com certa facilidade, ao ambiente do ensino e aprendizagem, em função da sensibilização contínua aos pais e encarregados de educação feita por autoridades tradicionais, entidades religiosas, associações, professores, entre outros actores sociais.

 “A criança, mesmo na ausência do pai e encarregado de educação, sabe que às 11 horas ou uma outra hora terá um pão, bolacha, sumo ou um outro tipo de alimentação. Não terá motivos para ausentar-se da sala de aulas com o pretexto de fome, uma situação que deve merecer a adequada atenção pelas autoridades de direito”, sublinhou.  

Advogou a necessidade de as administrações municipais criarem as condições permanentes da merenda nas escolas para que as crianças não abandonem as aulas, sobretudo as das zonas rurais, onde, por causa da fome, muitas preferem ser de rua e na rua a procura de serviço para alimentação.

No Cuando Cubango, no presente ano lectivo, estão matriculados, no ensino primário, em mais de 150 escolas, cerca de 120 mil alunos.