ISPKS lança mestrado em protecção de planta

Sumbe – O Instituto Superior Politécnico do Cuanza Sul (ISPKS) conta, desde esta quinta-feira, com o primeiro curso de mestrado em protecção de plantas.

Segundo o director geral da instituição, Manuel Octávio Spínola, que falava numa conferência de imprensa,  o curso, cujo ingresso com nota igual ou superior a 14 valores em licenciatura, visa formar quadros com capacidades em fitotecnia, bem como melhorar a qualidade de produção agrícola.

O processo de inscriões vão decorrer até 16 de Dezembro, tendo, para este ano académico, 30 vagas disponivéis.

O curso, que será comparticipado no valor de um mihão 200 mil Kwanzas, tem uma duração de dois anos e comporta oito áreas de conhecimentos que incluem seminários e estágios curriculares obrigatórios, e práticas no campo com docentes angolanos, sul-africanos e portugueses.

“ Queremos minimizar as perdas de produção e baixar os prejuízos económicos através de estudos atempados das plantas, factor que este curso vem dar resposta e assegurar que os camponeses e empresas agrícolas aumentem os seus rendimentos e a qualidade dos produtos”, disse.

O Instituto Superior Politécnico do Cuanza Sul foi  criado há 10 anos. Conta com 21 salas de aula, 60 docentes e ministra  os cursos de Enfermagem, Contabilidade, Gestão Agrária, Agronomia  e  Zootecnia. Já formou  mais de 600  licenciados e bacharéis.

Segundo o director geral da instituição, Manuel Octávio Spínola, que falava numa conferência de imprensa,  o curso, cujo ingresso com nota igual ou superior a 14 valores em licenciatura, visa formar quadros com capacidades em fitotecnia, bem como melhorar a qualidade de produção agrícola.

O processo de inscriões vão decorrer até 16 de Dezembro, tendo, para este ano académico, 30 vagas disponivéis.

O curso, que será comparticipado no valor de um mihão 200 mil Kwanzas, tem uma duração de dois anos e comporta oito áreas de conhecimentos que incluem seminários e estágios curriculares obrigatórios, e práticas no campo com docentes angolanos, sul-africanos e portugueses.

“ Queremos minimizar as perdas de produção e baixar os prejuízos económicos através de estudos atempados das plantas, factor que este curso vem dar resposta e assegurar que os camponeses e empresas agrícolas aumentem os seus rendimentos e a qualidade dos produtos”, disse.

O Instituto Superior Politécnico do Cuanza Sul foi  criado há 10 anos. Conta com 21 salas de aula, 60 docentes e ministra  os cursos de Enfermagem, Contabilidade, Gestão Agrária, Agronomia  e  Zootecnia. Já formou  mais de 600  licenciados e bacharéis.