Docente defende mais estímulo à investigação científica

Ndalatando - O investigador e docente universitário, Fernandino Leitão, defendeu, hoje (terça-feira), o reforço da capacitação de professores e do estímulo à investigação científica, para melhor qualidade do ensino superior.

Considerou que os docentes devem ser estimulados não só a ministrar aulas, mas também a investigar.

 Ao intervir no seminário de agregação pedagógica, dirigido a docentes do Instituto Superior Politécnico de Ndalatando (ISPEND),  afirmou que a elaboração de artigos científicos é uma via ideal de investigação que ajuda o docente a desenvolver individualmente ou em grupo.

Para o docente, o ensino universitário deve estar virado em quatro perspectivas – saber, saber fazer, saber conviver e saber estar e ser.

 O seminário, como tema “A aula como forma organizativa do ensino”, fez uma abordagem sobre o conceito de aula, sobre a didáctica como processo de ensino e aprendizagem e níveis de planificação educacional.

O ISPEND, anteriormente  Instituto Superior Politécnico, foi criado há um ano.

O Instituto Superior Politécnico foi fundado em 2011 e fazia parte da universidade  Kimpa Vita, com sede na província do Uíge.

Considerou que os docentes devem ser estimulados não só a ministrar aulas, mas também a investigar.

 Ao intervir no seminário de agregação pedagógica, dirigido a docentes do Instituto Superior Politécnico de Ndalatando (ISPEND),  afirmou que a elaboração de artigos científicos é uma via ideal de investigação que ajuda o docente a desenvolver individualmente ou em grupo.

Para o docente, o ensino universitário deve estar virado em quatro perspectivas – saber, saber fazer, saber conviver e saber estar e ser.

 O seminário, como tema “A aula como forma organizativa do ensino”, fez uma abordagem sobre o conceito de aula, sobre a didáctica como processo de ensino e aprendizagem e níveis de planificação educacional.

O ISPEND, anteriormente  Instituto Superior Politécnico, foi criado há um ano.

O Instituto Superior Politécnico foi fundado em 2011 e fazia parte da universidade  Kimpa Vita, com sede na província do Uíge.