Docentes e estudantes universitários querem mais recursos financeiros

Cuito - Os docentes universitários e a União dos Estudantes do Ensino Superior em Angola (UEESA) defenderam hoje, na cidade do Cuito, província do Bié, à necessidade do Executivo aumentar as verbas no sector da educação, visando contribuir na melhoria da qualidade de ensino, quer geral quer superior.

Lidas em mensagens separadas, na abertura do ano académico, presidido pelo Presidente da República, João Lourenço, destacarem o contributo do Executivo nesta área, mas solicitaram a imperiosidade de maximizar os recursos financeiros para se atingir a excelência que se precisa.

O presidente da UEESA, Victorino Sanguvira, afirmou que, com o aumento de verbas, será possível assegurar o apetrechamento das unidades orgânicas e o ingresso de mais estudantes na bolsa de estudo quer interna quer externa.

Vai permitir ainda com que discentes não abandonem os estudos por falta de condições económicas.

Outrossim, a UEESA defende a viabilização da realização das eleições nas instituições do ensino superior, para permitir o exercício democrático e a liberdade académica que se exige e melhorar as políticas de apoio à investigação científica, produção, inovação e a edição das revistas científicas.

Solicitam, por outro lado, o aperfeiçoamento dos mecanismos de funcionamento do Instituto Nacional de Bolsas de Estudos (INABE) e do Instituto Nacional de Avaliação, Acreditação e Reconhecimento de Estudos do Ensino Superior (INAAREES), de modo que a burocracia que se regista reduzida.

Já o coordenador da comissão instaladora do Instituto Superior Politécnico do Bié, Gelson Palhares, em nome dos demais docentes universitários em Angola, pontualizou que o aumento de dinheiro facilitará com que haja aplicação da actividade da produção científica, investigação aplicada e desenvolvimento experimental necessárias e fundamentais para o desenvolvimento do país.

Disse ser urgente o repensar do estatuto remuneratório da carreira docente do professor universitário, pelo facto de ser um facto motivador para que os docentes sejam capazes de enfrentar os grandes desafios inerentes ao desenvolvimento do país.

O OGE 2021, que prevê despesas e receitas de  14.7 biliões de Kwanzas, para o sector da educação está destinado um bilião nove mil milhões de Kwanzas (6,83%).

Apesar das limitações financeiras, traz um incremento de 9,9 por cento em relação ao OGE revisto em execução. 

Para o ensino superior, existem 152 mil vagas (contra 133 mil e 672 de 2020/2021).

Angola possui 96 Instituições de Ensino Superior (IES), sendo 32 públicas e 64 privadas, divididas entre academias (1 pública), universidades (11 públicas e 10 privadas), institutos superiores (16/52) e escolas superiores (4/2).

As unidades militares integradas no sistema do ensino superior seguem um regime próprio.

Lidas em mensagens separadas, na abertura do ano académico, presidido pelo Presidente da República, João Lourenço, destacarem o contributo do Executivo nesta área, mas solicitaram a imperiosidade de maximizar os recursos financeiros para se atingir a excelência que se precisa.

O presidente da UEESA, Victorino Sanguvira, afirmou que, com o aumento de verbas, será possível assegurar o apetrechamento das unidades orgânicas e o ingresso de mais estudantes na bolsa de estudo quer interna quer externa.

Vai permitir ainda com que discentes não abandonem os estudos por falta de condições económicas.

Outrossim, a UEESA defende a viabilização da realização das eleições nas instituições do ensino superior, para permitir o exercício democrático e a liberdade académica que se exige e melhorar as políticas de apoio à investigação científica, produção, inovação e a edição das revistas científicas.

Solicitam, por outro lado, o aperfeiçoamento dos mecanismos de funcionamento do Instituto Nacional de Bolsas de Estudos (INABE) e do Instituto Nacional de Avaliação, Acreditação e Reconhecimento de Estudos do Ensino Superior (INAAREES), de modo que a burocracia que se regista reduzida.

Já o coordenador da comissão instaladora do Instituto Superior Politécnico do Bié, Gelson Palhares, em nome dos demais docentes universitários em Angola, pontualizou que o aumento de dinheiro facilitará com que haja aplicação da actividade da produção científica, investigação aplicada e desenvolvimento experimental necessárias e fundamentais para o desenvolvimento do país.

Disse ser urgente o repensar do estatuto remuneratório da carreira docente do professor universitário, pelo facto de ser um facto motivador para que os docentes sejam capazes de enfrentar os grandes desafios inerentes ao desenvolvimento do país.

O OGE 2021, que prevê despesas e receitas de  14.7 biliões de Kwanzas, para o sector da educação está destinado um bilião nove mil milhões de Kwanzas (6,83%).

Apesar das limitações financeiras, traz um incremento de 9,9 por cento em relação ao OGE revisto em execução. 

Para o ensino superior, existem 152 mil vagas (contra 133 mil e 672 de 2020/2021).

Angola possui 96 Instituições de Ensino Superior (IES), sendo 32 públicas e 64 privadas, divididas entre academias (1 pública), universidades (11 públicas e 10 privadas), institutos superiores (16/52) e escolas superiores (4/2).

As unidades militares integradas no sistema do ensino superior seguem um regime próprio.