Educação recupera escolas vandalizadas

  • Cunene: Instituto Médio Agrário do Xangongo,  vandalisado
Ondjiva – O gabinete provincial da Educação no Cunene está a levar a cabo o trabalho de manutenção e melhoria das escolas vandalizadas entre 2020/2021, para dar uma nova imagem às instituições de ensino e dar dignidade aos alunos.

Na província do Cunene foram vandalizadas, este ano, 16 escolas do ensino primário ao II ciclo com a retirada das portas, janelas, tetos falso,   sanitas, mesas, cadeiras de gabinetes, carteiras e quadros.

Em declarações, nesta quarta-feira, à Angop, o director da Educação do Cunene, Domingos de Oliveira, disse que já foram melhorados o complexo escolar de Santa-Clara e o colégio do I ciclo de Oifidi, com a reposição do teto falso, colocação de gradeamentos nas portas, janelas e portões.

Disse que actualmente decorrem trabalhos de construção de vedação do muro da escola do I ciclo da Caxila, em Ondjiva, que também foi reforçada com gradeamentos nas portas e janelas, bem como guardas para manterem a segurança da instituição.

Informou que as demais escolas vandalizadas serão melhoradas paulatinamente, à medida que o orçamento for colocado à disposição da direcção.

Deu a conhecer, por outro lado, que o gabinete assinou contratos com empresas privadas de segurança para o asseguramento de 22 escolas, pagando por cada segurança o valor de 80 mil kwanzas mensais, mas por insuficiência de verbas este serviço não pode ser alargado a mais escolas.

Domingos de Oliveira sublinhou que a vandalização das escolas acaba por dificultar o funcionamento das mesmas,  porque os alunos estudam sem carteiras, situação que pode influenciar de forma negativa na qualidade de ensino e aprendizagem dos alunos.

Fruto da operação “Cândido Almeida António Dala”, que decorreu de 28 de Agosto a 10 de Setembro, a Polícia Nacional recuperou quatro placas solares, 61 cadeiras, 31 carteiras, 20 janelas de alumínio, furtados nas escolas.

No âmbito do processo de reorganização e agrupamento das escolas, a província conta, este ano, com 475 escolas, que albergam  229 mil alunos e mil 146 professores, da  iniciação ao II ciclo do ensino secundário

 

Na província do Cunene foram vandalizadas, este ano, 16 escolas do ensino primário ao II ciclo com a retirada das portas, janelas, tetos falso,   sanitas, mesas, cadeiras de gabinetes, carteiras e quadros.

Em declarações, nesta quarta-feira, à Angop, o director da Educação do Cunene, Domingos de Oliveira, disse que já foram melhorados o complexo escolar de Santa-Clara e o colégio do I ciclo de Oifidi, com a reposição do teto falso, colocação de gradeamentos nas portas, janelas e portões.

Disse que actualmente decorrem trabalhos de construção de vedação do muro da escola do I ciclo da Caxila, em Ondjiva, que também foi reforçada com gradeamentos nas portas e janelas, bem como guardas para manterem a segurança da instituição.

Informou que as demais escolas vandalizadas serão melhoradas paulatinamente, à medida que o orçamento for colocado à disposição da direcção.

Deu a conhecer, por outro lado, que o gabinete assinou contratos com empresas privadas de segurança para o asseguramento de 22 escolas, pagando por cada segurança o valor de 80 mil kwanzas mensais, mas por insuficiência de verbas este serviço não pode ser alargado a mais escolas.

Domingos de Oliveira sublinhou que a vandalização das escolas acaba por dificultar o funcionamento das mesmas,  porque os alunos estudam sem carteiras, situação que pode influenciar de forma negativa na qualidade de ensino e aprendizagem dos alunos.

Fruto da operação “Cândido Almeida António Dala”, que decorreu de 28 de Agosto a 10 de Setembro, a Polícia Nacional recuperou quatro placas solares, 61 cadeiras, 31 carteiras, 20 janelas de alumínio, furtados nas escolas.

No âmbito do processo de reorganização e agrupamento das escolas, a província conta, este ano, com 475 escolas, que albergam  229 mil alunos e mil 146 professores, da  iniciação ao II ciclo do ensino secundário