Ensino de Oshikwanyama e Nyaneka com resultados satisfatórios

  • Coordenadora das línguas nacionais do gabinete provincial da Educação no Cunene, Clemência Popileinge
Cunene- O processo de generalização do ensino das línguas Oshikwanyama e Nyaneka envolve cerca de mil 884 alunos e 54 salas dos primeiro e segundo ciclo do corrente ano lectivo.

A informação foi prestada, esta segunda-feira, à ANGOP, pela coordenadora do ciclo de interesse das línguas nacionais do gabinete provincial do Cunene da Educação, Clemência Popileinge, tendo referido que estão inseridos mil 448 professores.

Sublinhou que os resultados são satisfatórios, considerando oportuna a introdução das referidas disciplinas no processo de ensino.

A responsável disse que, numa primeira fase, o processo de generalização das línguas abrange apenas os estudantes da primeira à 9º classe, mas, no próximo ano lectivo, a julgar pelos níveis de motivação dos professores e alunos, o programa poderá expandir-se até a 12ª classe.

Realçou que o êxito do processo prende-se ao facto dos alunos estarem munidos de material didáctico traduzido de português para Oshikwanyama e Nyaneka.

Apontou ainda o facto de, periodicamente, os alunos serem submetidos a provas escritas de planeamento contínuo, trabalhos em grupo e tarefas de aprendizagem adicional, para o desenvolvimento do aprendizado independente e colectivo.

Clemência Popileinge disse que o programa pretende também atingir o ensino superior, de modo a formar especialistas, que deverão também traduzir-se em futuros investigadores dos hábitos e costumes dos povos da região.

A coordenadora avançou que, desde a implementação do processo, não se tem encontrado dificuldades, visto que existe boa cooperação entre os professores das diferentes classes.

Acrescentou que os professores que leccionam as referidas línguas têm beneficiado anualmente de seminários de refrescamento e actualização, com o intuito de os ajudar a melhorar, cada vez mais, a transmissão de conhecimentos aos alunos.

A informação foi prestada, esta segunda-feira, à ANGOP, pela coordenadora do ciclo de interesse das línguas nacionais do gabinete provincial do Cunene da Educação, Clemência Popileinge, tendo referido que estão inseridos mil 448 professores.

Sublinhou que os resultados são satisfatórios, considerando oportuna a introdução das referidas disciplinas no processo de ensino.

A responsável disse que, numa primeira fase, o processo de generalização das línguas abrange apenas os estudantes da primeira à 9º classe, mas, no próximo ano lectivo, a julgar pelos níveis de motivação dos professores e alunos, o programa poderá expandir-se até a 12ª classe.

Realçou que o êxito do processo prende-se ao facto dos alunos estarem munidos de material didáctico traduzido de português para Oshikwanyama e Nyaneka.

Apontou ainda o facto de, periodicamente, os alunos serem submetidos a provas escritas de planeamento contínuo, trabalhos em grupo e tarefas de aprendizagem adicional, para o desenvolvimento do aprendizado independente e colectivo.

Clemência Popileinge disse que o programa pretende também atingir o ensino superior, de modo a formar especialistas, que deverão também traduzir-se em futuros investigadores dos hábitos e costumes dos povos da região.

A coordenadora avançou que, desde a implementação do processo, não se tem encontrado dificuldades, visto que existe boa cooperação entre os professores das diferentes classes.

Acrescentou que os professores que leccionam as referidas línguas têm beneficiado anualmente de seminários de refrescamento e actualização, com o intuito de os ajudar a melhorar, cada vez mais, a transmissão de conhecimentos aos alunos.