Estudantes querem subvenção do ensino superior

Malanje- O IX Encontro Nacional da Associação dos Estudantes das Universidades Privadas de Angola (AEUPA), decorrido no último fim-de-semana, em Malanje, recomendou a subvenção do ensino superior público e privado por parte do Executivo, visando aumentar a oferta educativa no país.

Por outro lado, os participantes repudiaram a subida das propinas e emolumentos em 25 por cento no ensino superior, por se tratar de uma medida injusta face a crise económica, agravada pela Covid-19.

Entretanto, apelaram as instituições do ensino superior no sentido de criarem outros mecanismos de arrecadação de receitas, como centros de estudos científicos e de consultoria, sob pena de dependerem apenas das cobranças de propinas e emolumentos.

Outrossim, a AEUPA defende mais comprometimento das universidades em prestar serviços com mais qualidade, para que as instituições de ensino superior do país possam constar nos próximos tempos, entre as melhores do mundo.

Enquanto isso, a Associação pediu ponderação em relação aos efeitos negativos resultantes do encerramento em Agosto deste ano, das quatro instituições de ensino superior nas províncias de Luanda, Huambo e Bengo, visando a salvaguarda dos interesses comuns.

Realizado nos dias 18 e 19 deste mês, os participantes debaterem questões relacionadas com a Covid 19, a Problemática da Subida do Valor das Propinas e Emolumentos, o Legado de Neto para a Juventude-Desafios e Perspectivas, assim como o Empreendedorismo e Gestão de Quotas nas Associações Estudantis.

Sob o lema “Fontes de financiamento das instituições de ensino superior face à Covid-19”, o IX Encontro Nacional dos Estudantes das Universidades Privadas de Angola contou com a participação de 100 delegados em representação de 27 instituições das províncias de Cabinda, Luanda, Benguela, Namibe, Huíla, Huambo, Bié, Moxico, Uige e Cuanza Norte.

 

Por outro lado, os participantes repudiaram a subida das propinas e emolumentos em 25 por cento no ensino superior, por se tratar de uma medida injusta face a crise económica, agravada pela Covid-19.

Entretanto, apelaram as instituições do ensino superior no sentido de criarem outros mecanismos de arrecadação de receitas, como centros de estudos científicos e de consultoria, sob pena de dependerem apenas das cobranças de propinas e emolumentos.

Outrossim, a AEUPA defende mais comprometimento das universidades em prestar serviços com mais qualidade, para que as instituições de ensino superior do país possam constar nos próximos tempos, entre as melhores do mundo.

Enquanto isso, a Associação pediu ponderação em relação aos efeitos negativos resultantes do encerramento em Agosto deste ano, das quatro instituições de ensino superior nas províncias de Luanda, Huambo e Bengo, visando a salvaguarda dos interesses comuns.

Realizado nos dias 18 e 19 deste mês, os participantes debaterem questões relacionadas com a Covid 19, a Problemática da Subida do Valor das Propinas e Emolumentos, o Legado de Neto para a Juventude-Desafios e Perspectivas, assim como o Empreendedorismo e Gestão de Quotas nas Associações Estudantis.

Sob o lema “Fontes de financiamento das instituições de ensino superior face à Covid-19”, o IX Encontro Nacional dos Estudantes das Universidades Privadas de Angola contou com a participação de 100 delegados em representação de 27 instituições das províncias de Cabinda, Luanda, Benguela, Namibe, Huíla, Huambo, Bié, Moxico, Uige e Cuanza Norte.