MED aposta na formação para o emprego

  • Ministra da Educacão, Luisa Grilo
Lucapa - A ministra da Educação, Luísa Grilo, disse, esta sexta-feira, no Dundo, que o Estado angolano está a reavaliar o sistema nacional do ensino técnico, para adequa-lo às necessidades formativas de cada região, no âmbito da formação de quadros qualificados que possam ser rapidamente absorvidos no mercado de trabalho.

Em declarações à imprensa, à margem da inauguração do Instituto Médico  Politécnico de Lucapa, admitiu que a qualidade do ensino técnico em Angola ainda não é das melhores e em muitos casos não responde às necessidades do mercado de trabalho, sobretudo no sector privado.

Por esta razão,  prosseguiu,  o  ministério está a trabalhar no sentido de reorganizar o sistema nacional de ensino, implementando cursos de acordo às necessidades do mercado trabalho de cada província,  priorizando a qualificação dos docentes.

Conforme a ministra, está a ser feito um levantamento geral das necessidades de laboratórios para os diferentes cursos, pesquisas de mercados para apetrechar grande parte das escolas , sobretudo vocacionadas para a formação de docentes, com vista a aliar a teroria a prática.

Luísa Grilo avançou que o levantamento e a pesquisa do mercado termina este mês e os resultados serão remetidos ao Presidente da República para os passos subsequentes.

"Formar para o emprego é o nosso principal objectivo,  por estamos a reavaliar e a redimensionar os cursos técnicos, para que no futuro sejam colocados no mercado de trabalho  quadros qualificados de acordo as necessidades locais", sublinhou.

Sobre a suspensão dos cursos de biologia,  química, física e matemática no ensino médio,   Luísa Grilo esclareceu que a falta de laboratórios e docentes qualificados motivou tal decisão.

Assegurou que os cursos retomam tão logo estejam ultrapassados os problemas.

Em declarações à imprensa, à margem da inauguração do Instituto Médico  Politécnico de Lucapa, admitiu que a qualidade do ensino técnico em Angola ainda não é das melhores e em muitos casos não responde às necessidades do mercado de trabalho, sobretudo no sector privado.

Por esta razão,  prosseguiu,  o  ministério está a trabalhar no sentido de reorganizar o sistema nacional de ensino, implementando cursos de acordo às necessidades do mercado trabalho de cada província,  priorizando a qualificação dos docentes.

Conforme a ministra, está a ser feito um levantamento geral das necessidades de laboratórios para os diferentes cursos, pesquisas de mercados para apetrechar grande parte das escolas , sobretudo vocacionadas para a formação de docentes, com vista a aliar a teroria a prática.

Luísa Grilo avançou que o levantamento e a pesquisa do mercado termina este mês e os resultados serão remetidos ao Presidente da República para os passos subsequentes.

"Formar para o emprego é o nosso principal objectivo,  por estamos a reavaliar e a redimensionar os cursos técnicos, para que no futuro sejam colocados no mercado de trabalho  quadros qualificados de acordo as necessidades locais", sublinhou.

Sobre a suspensão dos cursos de biologia,  química, física e matemática no ensino médio,   Luísa Grilo esclareceu que a falta de laboratórios e docentes qualificados motivou tal decisão.

Assegurou que os cursos retomam tão logo estejam ultrapassados os problemas.