Município da Caála poderá contar com cidade universitária

  • Huambo: Vista parcial da Cidade da Caala
Caála – O município da Caála (Huambo) pode ter, em breve, uma cidade universitária de iniciativa privada, com objectivo de reforçar a investigação científica e a pesquisa, apurou hoje, terça-feira, a ANGOP.

O facto foi tornado público pelo director-geral do Instituto Superior Politécnico da Caála, Hélder Tchipindo, por ocasião da visita de constatação efectuada ao projecto universitário pelo 2º secretário do MPLA na província do Huambo, Adérito Chimuco.

Hélder Tchipindo informou que a instituição prevê investir, a partir de Junho deste ano, mais de mil milhões de Kwanzas para execução projecto, num financiamento do grupo empresarial “Vinech/Formações”.

A iniciativa, conforme o responsável, visa melhorar a qualidade de ensino universitário, através do reforço da pesquisa e da investigação científica, para melhor solucionar os problemas comunitários.

Referiu que o projecto, com prazo de execução de dois anos, terá uma capacidade para albergar perto de 20 mil estudantes.

Deverá contar com um hospital universitário, bibliotecas, centros de estudo, infra-estruturas desportivas, zonas comerciais e de treinamento de práticas de empreendedorismo e gestão de negócios, para que depois da formação, o estudante não seja dependente da função pública.

Reagindo à iniciativa privada, o 2º segundo secretário do MPLA no Huambo afirmou que a organização político-partidária (no poder em Angola) vai continuar a apoiar acções do género, para a promoção do desenvolvimento económico-social.

“Este é um plano concreto de combate ao desemprego”, rematou o dirigente político, que encorajou o grupo empresarial a prosseguir neste caminho, não apenas para a produção do conhecimento académico e científico, mas também na criação de novos postos de trabalho.

O Instituto Superior Politécnico da Caála, com sete mil e 700 estudantes, ministra cursos de licenciatura nas especialidades de Administração Pública e Gestão de Cidades, Arquitectura e Urbanismo, Ciências de Computação, Farmacêuticas, Económicas e Empresariais, Direito, Enfermagem, engenharias Civil e Electrónica, Gestão de Recursos Humanos, História, Medicina Dentária, Psicologia e Ensino Primário.

 As aulas são leccionadas por 244 docentes, entre professores doutores, mestres e licenciados.  

Tem disponíveis laboratórios equipados com meios de experimentação e demonstração científica de engenharia electrónica, computação, enfermagem, medicina dentária, citologia, microscopia, vasocitologia e anatomofisiologia, entre outros.

O facto foi tornado público pelo director-geral do Instituto Superior Politécnico da Caála, Hélder Tchipindo, por ocasião da visita de constatação efectuada ao projecto universitário pelo 2º secretário do MPLA na província do Huambo, Adérito Chimuco.

Hélder Tchipindo informou que a instituição prevê investir, a partir de Junho deste ano, mais de mil milhões de Kwanzas para execução projecto, num financiamento do grupo empresarial “Vinech/Formações”.

A iniciativa, conforme o responsável, visa melhorar a qualidade de ensino universitário, através do reforço da pesquisa e da investigação científica, para melhor solucionar os problemas comunitários.

Referiu que o projecto, com prazo de execução de dois anos, terá uma capacidade para albergar perto de 20 mil estudantes.

Deverá contar com um hospital universitário, bibliotecas, centros de estudo, infra-estruturas desportivas, zonas comerciais e de treinamento de práticas de empreendedorismo e gestão de negócios, para que depois da formação, o estudante não seja dependente da função pública.

Reagindo à iniciativa privada, o 2º segundo secretário do MPLA no Huambo afirmou que a organização político-partidária (no poder em Angola) vai continuar a apoiar acções do género, para a promoção do desenvolvimento económico-social.

“Este é um plano concreto de combate ao desemprego”, rematou o dirigente político, que encorajou o grupo empresarial a prosseguir neste caminho, não apenas para a produção do conhecimento académico e científico, mas também na criação de novos postos de trabalho.

O Instituto Superior Politécnico da Caála, com sete mil e 700 estudantes, ministra cursos de licenciatura nas especialidades de Administração Pública e Gestão de Cidades, Arquitectura e Urbanismo, Ciências de Computação, Farmacêuticas, Económicas e Empresariais, Direito, Enfermagem, engenharias Civil e Electrónica, Gestão de Recursos Humanos, História, Medicina Dentária, Psicologia e Ensino Primário.

 As aulas são leccionadas por 244 docentes, entre professores doutores, mestres e licenciados.  

Tem disponíveis laboratórios equipados com meios de experimentação e demonstração científica de engenharia electrónica, computação, enfermagem, medicina dentária, citologia, microscopia, vasocitologia e anatomofisiologia, entre outros.