Municípios de Benguela e da Catumbela contam com duas novas escolas primárias

  • Interior de uma sala de aula
Benguela – Duas novas escolas primárias, com oito salas de aula cada, foram entregues nesta quarta-feira, às comunidades dos bairros 11 de Novembro (município de Benguela) e da Cabaia (Catumbela), uma oferta da petrolífera BP-Angola.


Os estabelecimentos de ensino comportam ainda áreas administrativas, salas dos professores, balneários e campos multiusos. As duas infra-estruturas escolares ficaram orçadas em Usd 630 mil cada e vão acolher 800 alunos cada em dois turnos.

Na ocasião, o governador de Benguela, Luís Nunes, que recebeu oficialmente as infra-estruturas, instou os encarregados de educação e público em geral a cuidar destes estabelecimentos, para que sirvam outras gerações de estudantes.

Já o presidente da BP-Angola, Adriano Bastos, disse que o montante disponilizado serviu também para equipar as duas escolas, onde os alunos estarão confortavelmente acomodados.

O responsável enfatizou que as escolas pertencem às respectivas comunidades e que vão servir para construir mentes positivas.

"As crianças que por aqui passarem vão ajudar a construir um futuro risonho, de paz e prosperidade para Angola”, referiu.

Já Paula Marisa Correia, administradora municipal de Benguela, disse que, para o Executivo angolano, constitui uma prioridade assegurar melhores condições de acomodação e de ensino/aprendizagem para os cidadãos, com realce para as crianças.

Na mesma senda, disse que o governo e parceiros tudo têm feito para reduzir ou acabar com o fenómeno crianças fora do sistema de ensino.

O acesso à educação é crucial para o desenvolvimento de qualquer nação e, por essa razão,constitui um dos focos da BP no âmbito da sua estratégia de responsabilidade social nos países onde opera.

Desde 2012, através dos blocos 18 e 31 e de fundos próprios, a BP-Angola já financiou a construção e reabilitação de 21 escolas nas províncias de Luanda, Benguela, Huíla, Huambo, Cuanza Norte, Cuanza Sul, Bié, Moxico e Uíge, beneficiando mais de 18 mil estudantes e 660 profissionais da educação.

 


Os estabelecimentos de ensino comportam ainda áreas administrativas, salas dos professores, balneários e campos multiusos. As duas infra-estruturas escolares ficaram orçadas em Usd 630 mil cada e vão acolher 800 alunos cada em dois turnos.

Na ocasião, o governador de Benguela, Luís Nunes, que recebeu oficialmente as infra-estruturas, instou os encarregados de educação e público em geral a cuidar destes estabelecimentos, para que sirvam outras gerações de estudantes.

Já o presidente da BP-Angola, Adriano Bastos, disse que o montante disponilizado serviu também para equipar as duas escolas, onde os alunos estarão confortavelmente acomodados.

O responsável enfatizou que as escolas pertencem às respectivas comunidades e que vão servir para construir mentes positivas.

"As crianças que por aqui passarem vão ajudar a construir um futuro risonho, de paz e prosperidade para Angola”, referiu.

Já Paula Marisa Correia, administradora municipal de Benguela, disse que, para o Executivo angolano, constitui uma prioridade assegurar melhores condições de acomodação e de ensino/aprendizagem para os cidadãos, com realce para as crianças.

Na mesma senda, disse que o governo e parceiros tudo têm feito para reduzir ou acabar com o fenómeno crianças fora do sistema de ensino.

O acesso à educação é crucial para o desenvolvimento de qualquer nação e, por essa razão,constitui um dos focos da BP no âmbito da sua estratégia de responsabilidade social nos países onde opera.

Desde 2012, através dos blocos 18 e 31 e de fundos próprios, a BP-Angola já financiou a construção e reabilitação de 21 escolas nas províncias de Luanda, Benguela, Huíla, Huambo, Cuanza Norte, Cuanza Sul, Bié, Moxico e Uíge, beneficiando mais de 18 mil estudantes e 660 profissionais da educação.