Quarenta e quatro instituições do ensino superior privado com cursos ilegais

  • Ministra do Ensino Superior, Maria do Rosário Bragança (Arquivo)
Cuito – Quarenta e quatro instituições, das 64 do ensino superior privado existente no país, ainda ministram cursos ilegais, afirmou, nesta segunda-feira, a ministra do Ensino Superior, Maria do Rosário Bragança Sambo.

A governante falava à imprensa, no final da visita de constatação às obras de construção da Universidade Internacional do Cuanza, no âmbito da sua estadia de algumas horas a esta província.

Sem se referir ao número total de cursos ilegais, nem aos nomes das referidas instituições, Maria do Rosário Bragança Sambo salientou apenas que, quando foi nomeada para dirigir o ensino superior, existiam 148 cursos a serem ministrados de forma ilegal.

“Actualmente, a quantidade baixou consideravelmente, fruto do trabalho metodológico que a sua direcção tem realizado com as mesmas, no sentido de conformarem os seus cursos aos demais”, realçou.

Alertou para o risco de encerramento daquelas instituições que não cumprirem com as orientações dadas pelo Ministério Ensino Superior, quanto aos seus ajustamentos.

A nível do país existem mais de mil cursos ministrados nas instituições do ensino superior, quer públicas quer privadas.

Além de visitar as obras de construção da Universidade Internacional do Cuanza (UNIC), Maria do Rosário Bragança Sambo manteve um encontro, em separado, com o governar provincial do Bié, Pereira Alfredo, e reuniu-se com os responsáveis das instituições do ensino público e privado.

A UNIC tem previsão de entrar em funcionamento no próximo ano académico.

A instituição vai iniciar, numa primeira fase, com mais de cinco mil estudantes, nos cursos de graduação e pós-graduação em ciências sociais, humanas e ciências da educação, e em várias especialidades de engenharias.

Estão em construção, numa primeira fase, seis edifícios, cujas obras estão já a 85 por cento da sua execução física. No total serão 14 edifícios para 12 mil estudantes.

No momento decorrem trabalhos de acabamentos no interior dos edifícios, restando apenas a zona do pavimento e parqueamento, cuja conclusão está prevista para Julho.

A UNIC será a primeira instituição do ensino superior a ministrar cursos de pós-graduação no Bié.

A província do Bié tem quatro instituições do ensino superior, sendo duas públicas (Instituto Superior Politécnico do Bié, Escola Superior Pedagógica) e igual número de privadas (Instituto Superior Politécnico do Cuito e o Instituto Superior Politécnico “Ndunduma”).

A governante falava à imprensa, no final da visita de constatação às obras de construção da Universidade Internacional do Cuanza, no âmbito da sua estadia de algumas horas a esta província.

Sem se referir ao número total de cursos ilegais, nem aos nomes das referidas instituições, Maria do Rosário Bragança Sambo salientou apenas que, quando foi nomeada para dirigir o ensino superior, existiam 148 cursos a serem ministrados de forma ilegal.

“Actualmente, a quantidade baixou consideravelmente, fruto do trabalho metodológico que a sua direcção tem realizado com as mesmas, no sentido de conformarem os seus cursos aos demais”, realçou.

Alertou para o risco de encerramento daquelas instituições que não cumprirem com as orientações dadas pelo Ministério Ensino Superior, quanto aos seus ajustamentos.

A nível do país existem mais de mil cursos ministrados nas instituições do ensino superior, quer públicas quer privadas.

Além de visitar as obras de construção da Universidade Internacional do Cuanza (UNIC), Maria do Rosário Bragança Sambo manteve um encontro, em separado, com o governar provincial do Bié, Pereira Alfredo, e reuniu-se com os responsáveis das instituições do ensino público e privado.

A UNIC tem previsão de entrar em funcionamento no próximo ano académico.

A instituição vai iniciar, numa primeira fase, com mais de cinco mil estudantes, nos cursos de graduação e pós-graduação em ciências sociais, humanas e ciências da educação, e em várias especialidades de engenharias.

Estão em construção, numa primeira fase, seis edifícios, cujas obras estão já a 85 por cento da sua execução física. No total serão 14 edifícios para 12 mil estudantes.

No momento decorrem trabalhos de acabamentos no interior dos edifícios, restando apenas a zona do pavimento e parqueamento, cuja conclusão está prevista para Julho.

A UNIC será a primeira instituição do ensino superior a ministrar cursos de pós-graduação no Bié.

A província do Bié tem quatro instituições do ensino superior, sendo duas públicas (Instituto Superior Politécnico do Bié, Escola Superior Pedagógica) e igual número de privadas (Instituto Superior Politécnico do Cuito e o Instituto Superior Politécnico “Ndunduma”).