Reiterada importância do ensino superior para o desenvolvimento

  • Encontro de auscultação dos estudantes universitários com o Governo Provincial
Malanje- O vice-governador de Malanje para o sector Técnico e Infra-estruturas, Angelino Quissonde, reiterou hoje, sábado, a relevância do ensino universitário na transformação do potencial do país em riqueza real, para melhorar o bem-estar das famílias.

Ao falar na abertura do nono encontro nacional da Associação dos Estudantes das Universidades Privadas de Angola (AEUPA), realçou que o governo angolano valoriza as universidades, enquanto centros de produção de conhecimentos, capazes de dar resposta aos fenómenos sociais, económico e políticos.

Defendeu mais investimentos na investigação, com vista a formação de quadros que possam contribuir para o desenvolvimento integral do país, sem descurar o papel que vêm desempenhado as universidades privadas.

O presidente da Associação dos Estudantes das Universidades Privadas de Angola, Joaquim Caiombo, considerou imprudente o aumento das propinas, em 25 porcento, no ensino universitário, face ao actual cenário de crise económica que o país vive.

Apontou ainda como preocupação da associação os mais de 11 mil estudantes universitários, que ficarão de fora, pelo facto de algumas instituições terem sido declaradas ilegais pelo ministério de tutela.

Durante dois dias, os cerca de 100 participantes ao encontro debatem assuntos relacionados com as fontes alternativas para o financiamento das instituições de ensino superior face à Covid 19, a problemática da subida do valor das propinas e emolumentos, o legado de Neto para a juventude - desafios e perspectivas, assim como o empreendedorismo e gestão de quotas nas associações estudantis.

O nono encontro nacional dos estudantes das universidades privadas de Angola, que decorre sob o lema “Fontes de financiamento das instituições de ensino superior face à Covid-19”, junta académicos locais e das províncias de Cabinda, Luanda, Benguela, Namibe, Huíla, Huambo, Bié, Moxico, Uige e Cuanza Norte.

Ao falar na abertura do nono encontro nacional da Associação dos Estudantes das Universidades Privadas de Angola (AEUPA), realçou que o governo angolano valoriza as universidades, enquanto centros de produção de conhecimentos, capazes de dar resposta aos fenómenos sociais, económico e políticos.

Defendeu mais investimentos na investigação, com vista a formação de quadros que possam contribuir para o desenvolvimento integral do país, sem descurar o papel que vêm desempenhado as universidades privadas.

O presidente da Associação dos Estudantes das Universidades Privadas de Angola, Joaquim Caiombo, considerou imprudente o aumento das propinas, em 25 porcento, no ensino universitário, face ao actual cenário de crise económica que o país vive.

Apontou ainda como preocupação da associação os mais de 11 mil estudantes universitários, que ficarão de fora, pelo facto de algumas instituições terem sido declaradas ilegais pelo ministério de tutela.

Durante dois dias, os cerca de 100 participantes ao encontro debatem assuntos relacionados com as fontes alternativas para o financiamento das instituições de ensino superior face à Covid 19, a problemática da subida do valor das propinas e emolumentos, o legado de Neto para a juventude - desafios e perspectivas, assim como o empreendedorismo e gestão de quotas nas associações estudantis.

O nono encontro nacional dos estudantes das universidades privadas de Angola, que decorre sob o lema “Fontes de financiamento das instituições de ensino superior face à Covid-19”, junta académicos locais e das províncias de Cabinda, Luanda, Benguela, Namibe, Huíla, Huambo, Bié, Moxico, Uige e Cuanza Norte.