Angola acolhe 10ª Edição do Festival Internacional de Jazz

  • Gari Sinedima em palco (Arquivo
Luanda-  A décima edição do Festival Internacional de Jazz a realizar-se a 30 deste mês, em Angola, vai reunir artistas angolanos, camaroneses, chadianos, gaboneses  e congoleses democráticos, anunciou, nesta quinta-feira, em Luanda, a organização.

Em declarações à ANGOP, Jerónimo Belo destacou as participações de Filipe Mukenga, Sam Mangwana, Anabela Aya, Esperança Mirakiza, Totó, Ricardo Lemvo, Mitchel Long (EUA), Catarina dos Santos (Portugal), Chico Pinheiro (Brasil), Yamandu Costa (Brasil), Luiz Guerreiro (Portugal), As Marias (Moçambique), entre muitos outros.

O festival tem como objectivo sensibilizar a comunidade internacional para as virtudes do jazz como ferramenta educativa e como uma força de paz, unidade, diálogo e de cooperação reforçada entre os povos.

Em 10 edições já realizadas, esta é a primeira vez que o festival será realizado na região da África Central e terá como o tema” Artes, cultura e património: alavancas para construção da África que queremos”.

Jerónimo Belo sublinhou que a expectativa dos músicos é promover uma maior divulgação da problemática do jazz, aumento e frequência de programas sobre jazz nas rádios, artigos nos jornais sobre este estilo musical.

Em relação ao estado actual do jazz em Angola, Jerónimo Belo avançou que caminha com muitas dificuldades, mas com grande determinação.

Em declarações à ANGOP, Jerónimo Belo destacou as participações de Filipe Mukenga, Sam Mangwana, Anabela Aya, Esperança Mirakiza, Totó, Ricardo Lemvo, Mitchel Long (EUA), Catarina dos Santos (Portugal), Chico Pinheiro (Brasil), Yamandu Costa (Brasil), Luiz Guerreiro (Portugal), As Marias (Moçambique), entre muitos outros.

O festival tem como objectivo sensibilizar a comunidade internacional para as virtudes do jazz como ferramenta educativa e como uma força de paz, unidade, diálogo e de cooperação reforçada entre os povos.

Em 10 edições já realizadas, esta é a primeira vez que o festival será realizado na região da África Central e terá como o tema” Artes, cultura e património: alavancas para construção da África que queremos”.

Jerónimo Belo sublinhou que a expectativa dos músicos é promover uma maior divulgação da problemática do jazz, aumento e frequência de programas sobre jazz nas rádios, artigos nos jornais sobre este estilo musical.

Em relação ao estado actual do jazz em Angola, Jerónimo Belo avançou que caminha com muitas dificuldades, mas com grande determinação.