Celso Mambo leva fãs ao Memorial Dr Agostinho Neto

  • Músico Celso Mambo (Arquivo)
Luanda – O lírico angolano Celso Mambo levou, na noite desta quinta-feira, algumas dezenas de fãs ao Memorial Dr António Agostinho Neto, num concerto intimista.  

Em pouco mais de duas horas de show, Celso Mambo fez um passeio por louvores “Aleluia”, “Excelso Deus”, “Rude Cruz”, num guião artístico que incluiu ainda “Ngandala”, “Renúncia Impossível”, “Quizas Quizas”.

Inspirado por ver concretizar um sonho de realizar um show, pela primeira vez, no espaço em referência, Celso dividiu ainda o palco com a irmã Beth Mambo.

Apesar de ter como estrela da noite Celso Mambo, os fãs tiveram, igualmente, a oportunidade para ver e ouvir o gospel Marvin, numa performance preenchida por temas como “Besame Mucho”, “Amazing Grace” e “ Casamento”.

Com “Lírio dos Vales”, “Senhor meu Deus”  e “Sole Mio”, esta última de autoria  do italiano Luciano Pavarotti, Celso Mambo encerrou o espectáculo em apoteose.

O músico, que canta a mais de 15 anos e com dois discos no mercado, é formado em Direito pela Universidade Lusíadas de Angola.

O concerto obedeceu às regras de biossegurança, serviu para  perpetuar a memória do patrono do memorial e promover o conhecimento e formação artística por via da organização de acontecimentos culturais.

Em pouco mais de duas horas de show, Celso Mambo fez um passeio por louvores “Aleluia”, “Excelso Deus”, “Rude Cruz”, num guião artístico que incluiu ainda “Ngandala”, “Renúncia Impossível”, “Quizas Quizas”.

Inspirado por ver concretizar um sonho de realizar um show, pela primeira vez, no espaço em referência, Celso dividiu ainda o palco com a irmã Beth Mambo.

Apesar de ter como estrela da noite Celso Mambo, os fãs tiveram, igualmente, a oportunidade para ver e ouvir o gospel Marvin, numa performance preenchida por temas como “Besame Mucho”, “Amazing Grace” e “ Casamento”.

Com “Lírio dos Vales”, “Senhor meu Deus”  e “Sole Mio”, esta última de autoria  do italiano Luciano Pavarotti, Celso Mambo encerrou o espectáculo em apoteose.

O músico, que canta a mais de 15 anos e com dois discos no mercado, é formado em Direito pela Universidade Lusíadas de Angola.

O concerto obedeceu às regras de biossegurança, serviu para  perpetuar a memória do patrono do memorial e promover o conhecimento e formação artística por via da organização de acontecimentos culturais.