Defendida preservação das danças tradicionais no Cuanza Norte

  • Dança Tradicional de Cabinda
Ndalatando – O Gabinete Provincial do Cuanza Norte da Cultura, Turismo, Juventude e Desportos preconiza a necessidade da preservação das danças tradicionais, por constituírem património cultural e histórico do país.

O responsável do Departamento de Cultura do referido Gabinete, Rosa Carlos, disse à ANGOP, a propósito do 29 de Abril, Dia Internacional da Dança, estar preocupado pelo facto dos cidadãos, particularmente os jovens, desvalorizarem as danças folclóricas e bailados tradicionais, dando primazia às danças estrangeiras.

Sublinhou que a província é rica em ritmos e danças tradicionais, destacando-se os estilos “Dilongho”, “Kabokele”,  “Ndondela”,  “Dingwela”, “Disanda”, “Cidralia”, “Manhara” e “Cazucuta”, entre outros.

Para si, são necessários mais investimentos na valorização das danças tradicionais, por representarem a cultura e a identidade do país.

De acordo com dados estatísticos, estão inscritos na província 82 grupos, entre tradicionais e de dança moderna, além de outros conjuntos anónimos.

Rosa Carlos considera urgente resgatar as danças tradicionais, para não se correr o risco de desaparecerem e, consequentemente, perder-se parte da identidade cultural nacional.

Sobre o actual estado da dança na província do Cuanza Norte, Rosa Carlos deplorou a fraca atenção que é dada a esta modalidade cultural, na região, lamentando que a maior parte dos grupos de dança locais continuam a ter dificuldades, sobretudo falta de espaço para ensaios e apresentações e formação.

Para se inverter o actual quadro, o responsável disse que o sector da cultura encontra-se empenhado na promoção de acções de formação, de modo a estarem actualizados sobre as técnicas modernas da dança.

A instituição leva a cabo um programa de cadastramento dos grupos de danças tradicionais, além dos grupos que praticam danças modernas e recreativas, para melhor divulgação, a nível local e nacional.

Para dar maior divulgação as danças tradicionais da região, o sector da Cultura no Cuanza Norte pretende examinar o historial dos grupos locais.

Sublinhou que a data deve servir para chamar a atenção da sociedade para a importância da dança e incentivar a criação de melhores políticas públicas voltadas para esta arte.

O Dia Internacional da Dança foi instituído a 29 de Abril de 1982, pelo Comité Internacional da Dança (CID) da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), com o objectivo de celebrar a arte e mostrar a sua universalidade, independentemente das barreiras políticas, culturais e éticas.

O responsável do Departamento de Cultura do referido Gabinete, Rosa Carlos, disse à ANGOP, a propósito do 29 de Abril, Dia Internacional da Dança, estar preocupado pelo facto dos cidadãos, particularmente os jovens, desvalorizarem as danças folclóricas e bailados tradicionais, dando primazia às danças estrangeiras.

Sublinhou que a província é rica em ritmos e danças tradicionais, destacando-se os estilos “Dilongho”, “Kabokele”,  “Ndondela”,  “Dingwela”, “Disanda”, “Cidralia”, “Manhara” e “Cazucuta”, entre outros.

Para si, são necessários mais investimentos na valorização das danças tradicionais, por representarem a cultura e a identidade do país.

De acordo com dados estatísticos, estão inscritos na província 82 grupos, entre tradicionais e de dança moderna, além de outros conjuntos anónimos.

Rosa Carlos considera urgente resgatar as danças tradicionais, para não se correr o risco de desaparecerem e, consequentemente, perder-se parte da identidade cultural nacional.

Sobre o actual estado da dança na província do Cuanza Norte, Rosa Carlos deplorou a fraca atenção que é dada a esta modalidade cultural, na região, lamentando que a maior parte dos grupos de dança locais continuam a ter dificuldades, sobretudo falta de espaço para ensaios e apresentações e formação.

Para se inverter o actual quadro, o responsável disse que o sector da cultura encontra-se empenhado na promoção de acções de formação, de modo a estarem actualizados sobre as técnicas modernas da dança.

A instituição leva a cabo um programa de cadastramento dos grupos de danças tradicionais, além dos grupos que praticam danças modernas e recreativas, para melhor divulgação, a nível local e nacional.

Para dar maior divulgação as danças tradicionais da região, o sector da Cultura no Cuanza Norte pretende examinar o historial dos grupos locais.

Sublinhou que a data deve servir para chamar a atenção da sociedade para a importância da dança e incentivar a criação de melhores políticas públicas voltadas para esta arte.

O Dia Internacional da Dança foi instituído a 29 de Abril de 1982, pelo Comité Internacional da Dança (CID) da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), com o objectivo de celebrar a arte e mostrar a sua universalidade, independentemente das barreiras políticas, culturais e éticas.