Província necessita de nova biblioteca

  • Pormenor da cidade de Ndalatando, capital da província do Cuanza Norte
Ndalatando – A província do Cuanza Norte precisa de uma nova biblioteca provincial, devido a sua densidade populacional e expansão do ensino.

De acordo com o responsável provincial da Cultura, Turismo, Juventude e Desportos, Osvaldo Caculo, a actual biblioteca, erguida na era colonial, já não corresponde à demanda.

Osvaldo Caculo indicou que a biblioteca foi construída numa altura em que na província não existiam instituições do ensino superior e actualmente tem duas.

Considerou que há toda a necessidade de se construir uma nova biblioteca e apetrechá-la, porque o material da actual não dá consistência a um estudante do ensino superior e a sala de leitura tem apenas 25 lugares.

Nesta altura, em consequência da pandemia, a situação piorou, por causa da necessidade de prevenção contra a doença.

Para a atenuar a situação, o Governo Provincial gizou um projecto para apetrechar a biblioteca com novos livros científicos, enquanto se espera pela construção de um novo edifício.

Disse que os livros, a maioria provenientes de Portugal, encontram-se no Ministério da Cultura para aprovação.

Para estimular o gosto pela leitura, o governo vai adquirir também livros infantis, porque a biblioteca, de acordo com Osvaldo Caculo, é muito procurada por crianças.

Informou que recentemente foi construída e apetrechada uma biblioteca, no município do Bolongongo.

O gabinete provincial, informou, tem estado em contacto permanente com as administrações municipais, no sentido de colocarem bibliotecas em todas as escolas que estão a ser construídas, no âmbito do PIIM.

Osvaldo Caculo saudou a iniciativa de um grupo de jovens, no município do Cazengo, que estão a criar bibliotecas comunitárias, contribuindo para a massificação do gosto pela leitura e investigação cientifica.

Disse que o gabinete vai trabalhar com estes jovens para que esta iniciativa abranja também os outros nove municípios da província.

Actualmente a província carece também de livrarias e editoras.

De acordo com o responsável provincial da Cultura, Turismo, Juventude e Desportos, Osvaldo Caculo, a actual biblioteca, erguida na era colonial, já não corresponde à demanda.

Osvaldo Caculo indicou que a biblioteca foi construída numa altura em que na província não existiam instituições do ensino superior e actualmente tem duas.

Considerou que há toda a necessidade de se construir uma nova biblioteca e apetrechá-la, porque o material da actual não dá consistência a um estudante do ensino superior e a sala de leitura tem apenas 25 lugares.

Nesta altura, em consequência da pandemia, a situação piorou, por causa da necessidade de prevenção contra a doença.

Para a atenuar a situação, o Governo Provincial gizou um projecto para apetrechar a biblioteca com novos livros científicos, enquanto se espera pela construção de um novo edifício.

Disse que os livros, a maioria provenientes de Portugal, encontram-se no Ministério da Cultura para aprovação.

Para estimular o gosto pela leitura, o governo vai adquirir também livros infantis, porque a biblioteca, de acordo com Osvaldo Caculo, é muito procurada por crianças.

Informou que recentemente foi construída e apetrechada uma biblioteca, no município do Bolongongo.

O gabinete provincial, informou, tem estado em contacto permanente com as administrações municipais, no sentido de colocarem bibliotecas em todas as escolas que estão a ser construídas, no âmbito do PIIM.

Osvaldo Caculo saudou a iniciativa de um grupo de jovens, no município do Cazengo, que estão a criar bibliotecas comunitárias, contribuindo para a massificação do gosto pela leitura e investigação cientifica.

Disse que o gabinete vai trabalhar com estes jovens para que esta iniciativa abranja também os outros nove municípios da província.

Actualmente a província carece também de livrarias e editoras.