Ela-Espaço Luanda Arte presente na feira em Miami

  • Quadro do artista plástico angolano, Álvaro Macieira
Luanda - A galeria angolana ELA-Espaço Luanda Arte participa, entre os dias 30 de Novembro a 21 de Dezembro, na Feira Internacional de Arte Contemporânea (PRIZM) em Miami, nos Estados Unidos da América.

Neste evento online, o ELA-Espaço Luanda Arte´ apresenta uma exposição individual do artista plástico angolano Francisco Vidal em torno da obra “Sambizanga”, uma homenagem do pintor à cineasta africana Sarah Maldoror, realizadora do filme Sambizanga.

De acordo com uma nota a que a Angop teve acesso nesta segunda-feira, a PRIZM é uma feira de arte de vanguarda e multidisciplinaridade, promovendo o trabalho de artistas africanos, que reflecte as tendências mundiais da arte contemporânea, com base física em Miami, EUA.

Este ano, numa versão online, irá decorrer com a curadoria da afro-americana Mikhaile Solomon, sob o tema “Noir, Noir”.

“ São meditações sobre o cinema africano e sua influência nas artes visuais, através das lentes de obras seleccionadas de artistas contemporâneos, que irão expor as intersecções entre a prática das artes visuais contemporâneas e o espectro das tradições cinematográficas africanas(…)”, assevera a nota.

O evento vai explorar como os artistas criaram corpos de trabalho inspirados por narrativas, estéticas, notas culturais e comentários sociais poeticamente reproduzidos nas várias modalidades cinematográficas.

Ressalta o informe que o trabalho de Francisco Vidal é um exemplo de como os artistas angolanos estão a reintroduzir a figura humana no seu trabalho, após o amplo uso do minimalismo, do conceptualismo e até mesmo do abstracionismo.

Vidal é reconhecido pelas suas grandes instalações de pintura, traçando poderosas linhas caligráficas sobre telas de serigrafia, retratando flores de algodão em cores vivas e variados esquemas cromáticos.

O artista Francisco Vidal concluiu em 2010 um Mestrado em Belas Artes pela Columbia University School of the Arts em Nova York.

Actualmente vive entre Luanda e Lisboa. As suas obras pertencem às colecções, em Portugal, das fundações EDP, PLMJ, Calouste Gulbenkian e MAAT, na África de Sul, Scheryn Art, e em Angola, Sindika Dokolo, MATA, Banco Millennium Atlântico, entre outras.

Neste evento online, o ELA-Espaço Luanda Arte´ apresenta uma exposição individual do artista plástico angolano Francisco Vidal em torno da obra “Sambizanga”, uma homenagem do pintor à cineasta africana Sarah Maldoror, realizadora do filme Sambizanga.

De acordo com uma nota a que a Angop teve acesso nesta segunda-feira, a PRIZM é uma feira de arte de vanguarda e multidisciplinaridade, promovendo o trabalho de artistas africanos, que reflecte as tendências mundiais da arte contemporânea, com base física em Miami, EUA.

Este ano, numa versão online, irá decorrer com a curadoria da afro-americana Mikhaile Solomon, sob o tema “Noir, Noir”.

“ São meditações sobre o cinema africano e sua influência nas artes visuais, através das lentes de obras seleccionadas de artistas contemporâneos, que irão expor as intersecções entre a prática das artes visuais contemporâneas e o espectro das tradições cinematográficas africanas(…)”, assevera a nota.

O evento vai explorar como os artistas criaram corpos de trabalho inspirados por narrativas, estéticas, notas culturais e comentários sociais poeticamente reproduzidos nas várias modalidades cinematográficas.

Ressalta o informe que o trabalho de Francisco Vidal é um exemplo de como os artistas angolanos estão a reintroduzir a figura humana no seu trabalho, após o amplo uso do minimalismo, do conceptualismo e até mesmo do abstracionismo.

Vidal é reconhecido pelas suas grandes instalações de pintura, traçando poderosas linhas caligráficas sobre telas de serigrafia, retratando flores de algodão em cores vivas e variados esquemas cromáticos.

O artista Francisco Vidal concluiu em 2010 um Mestrado em Belas Artes pela Columbia University School of the Arts em Nova York.

Actualmente vive entre Luanda e Lisboa. As suas obras pertencem às colecções, em Portugal, das fundações EDP, PLMJ, Calouste Gulbenkian e MAAT, na África de Sul, Scheryn Art, e em Angola, Sindika Dokolo, MATA, Banco Millennium Atlântico, entre outras.