Escritor incentiva hábitos de leitura nas famílias

  • Livros infantis
Luena - O escritor angolano Eduardo Sacalima encorajou hoje, sexta-feira, em Luena, província do Moxico, os pais e outros encarregados de educação a cultivar o hábito de leitura no meio familiar, principalmente entre as crianças.

Ao falar à Angop, a propósito do 23 de Abril, Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor, o escritor ressaltou que o hábito de leitura ajuda na elevação dos níveis de conhecimento, interpretação dos fenómenos e no sucesso académico das pessoas, especialmente dos menores.

Admitiu, por outro lado, haver fraca produção de livros infantis no mercado nacional, facto que dificulta as opções de leituras das crianças.

“Apesar da insuficiência no campo da produção literária infantil, os pais devem promover tal prática, estimulando o hábito de leitura e oferecerem, cada vez mais, livros às crianças, no sentido de contribuir no crescimento intelectual dos menores”, salientou.

Já o coordenador do movimento literário Lev'Art na província do Moxico, Feliciano Quintas, considerou o hábito de leitura entre as criança uma forma de ajudar no processo educativo, cultural e social dos menores.

No seu entender, a leitura ajuda o indivíduo a desenvolver a mente, a descobrir o mundo e fortalece os valores morais, cívico, culturais e éticos das pessoas.

O também poeta solicitou aos empresários da província do Moxico a apoiarem as iniciativas dos jovens ligados à publicação de livros infanto-juvenil.

Fez saber que na província do Moxico existem muitos jovens que escrevem poesia, histórias, contos e cartilhas informativas com conteúdos apropriados para crianças, mas devido a dificuldades financeiras, escassez de gráficas e editoras tais projectos não são materializados.

O Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor é uma data escolhida pela Organização das Nações Unidas para a Educação a Ciência e a Cultura (UNESCO) para celebrar o livro, incentivar a leitura, homenagear autores e reflectir sobre seus direitos legais.

Ao falar à Angop, a propósito do 23 de Abril, Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor, o escritor ressaltou que o hábito de leitura ajuda na elevação dos níveis de conhecimento, interpretação dos fenómenos e no sucesso académico das pessoas, especialmente dos menores.

Admitiu, por outro lado, haver fraca produção de livros infantis no mercado nacional, facto que dificulta as opções de leituras das crianças.

“Apesar da insuficiência no campo da produção literária infantil, os pais devem promover tal prática, estimulando o hábito de leitura e oferecerem, cada vez mais, livros às crianças, no sentido de contribuir no crescimento intelectual dos menores”, salientou.

Já o coordenador do movimento literário Lev'Art na província do Moxico, Feliciano Quintas, considerou o hábito de leitura entre as criança uma forma de ajudar no processo educativo, cultural e social dos menores.

No seu entender, a leitura ajuda o indivíduo a desenvolver a mente, a descobrir o mundo e fortalece os valores morais, cívico, culturais e éticos das pessoas.

O também poeta solicitou aos empresários da província do Moxico a apoiarem as iniciativas dos jovens ligados à publicação de livros infanto-juvenil.

Fez saber que na província do Moxico existem muitos jovens que escrevem poesia, histórias, contos e cartilhas informativas com conteúdos apropriados para crianças, mas devido a dificuldades financeiras, escassez de gráficas e editoras tais projectos não são materializados.

O Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor é uma data escolhida pela Organização das Nações Unidas para a Educação a Ciência e a Cultura (UNESCO) para celebrar o livro, incentivar a leitura, homenagear autores e reflectir sobre seus direitos legais.