Escritores defendem maior promoção da literatura angolana

  • António Fonseca, Director do Memorial Agostinho Neto
Luanda – Os escritores fundadores da Brigada Jovem Literatura de Angola (BJLA) defendem uma maior promoção da literatura angolana, de forma a realçar a identidade cultural nacional.

Os escritores Luís Candjimbo, António Fonseca, Conceição Cristóvão, José Luís Mendonça e Irene Neto, que participaram, na sexta-feira, em Luanda, no encontro “Intergeracional entre a nova e a velha geração literária da BJLA", ressaltam que uma aposta no incentivo `a leitura, em especial de obras de autores angolanos, ajudaria a melhorar o intelecto do cidadão.

Luís Candjimbo recorda que a sistematização da leitura no país sempre teve como grande interesse a literatura, pelo que tem de se fazer crescer a narrativa desse país.

Para Conceição Cristóvão deve-se fazer aquilo que a sua geração fez, designadamente tertúlias, oficinas e debates, bem como revistas onde os jovens possam publicar os seus trabalhos literários.  

Já José Luís Mendonça aconselha os jovens a apostarem fortemente na leitura para desenvolverem o intelecto e a escrita literária.

“É preciso ler e muitos de nós os escritores lemos muito, mais do que escrevemos, porque é na leitura que você se inspira”, assegura.

O encontro Intergeracional entre a nova e a velha geração literária da BJLA foi promovido pela Brigada Jovem de Literatura de Angola (BJLA), com o fim dos jovens escritores colherem experiências da geração mais velha na arte da escrita.

A BJLA existe desde 1981 e foi primeiro presidente da sua Comissão Executiva o escritor Conceição Cristóvão, seguimndo-se-lhe David Mendes e Nicolau Sebastião da Conceição “Kudjimbe”.

O actual presidente é o jovem escritor Carlos Pedro.

Os escritores Luís Candjimbo, António Fonseca, Conceição Cristóvão, José Luís Mendonça e Irene Neto, que participaram, na sexta-feira, em Luanda, no encontro “Intergeracional entre a nova e a velha geração literária da BJLA", ressaltam que uma aposta no incentivo `a leitura, em especial de obras de autores angolanos, ajudaria a melhorar o intelecto do cidadão.

Luís Candjimbo recorda que a sistematização da leitura no país sempre teve como grande interesse a literatura, pelo que tem de se fazer crescer a narrativa desse país.

Para Conceição Cristóvão deve-se fazer aquilo que a sua geração fez, designadamente tertúlias, oficinas e debates, bem como revistas onde os jovens possam publicar os seus trabalhos literários.  

Já José Luís Mendonça aconselha os jovens a apostarem fortemente na leitura para desenvolverem o intelecto e a escrita literária.

“É preciso ler e muitos de nós os escritores lemos muito, mais do que escrevemos, porque é na leitura que você se inspira”, assegura.

O encontro Intergeracional entre a nova e a velha geração literária da BJLA foi promovido pela Brigada Jovem de Literatura de Angola (BJLA), com o fim dos jovens escritores colherem experiências da geração mais velha na arte da escrita.

A BJLA existe desde 1981 e foi primeiro presidente da sua Comissão Executiva o escritor Conceição Cristóvão, seguimndo-se-lhe David Mendes e Nicolau Sebastião da Conceição “Kudjimbe”.

O actual presidente é o jovem escritor Carlos Pedro.