Governo retoma obras de construção do Centro Cultural do Huambo

  • Jomo Fortunato, Ministro da Cultura
Huambo - O Ministro da Cultura, Turismo e Ambiente, Jomo Francisco Fortunato, garantiu hoje, segunda-feira, a existência de financiamento para a retoma, em breve, das obras de construção do Centro Cultural do Huambo.

Iniciadas em 2011, as obras de construção da infra-estrutura, inscritas, à época, no Programa de Investimento Público (PIP), paralisaram em 2014, alegadamente por falta de dinheiro.

Em declarações à imprensa, no final de uma visita de constatação ao empreendimento, o ministro garantiu terem sido já ultrapassados os constrangimentos de ordem financeira que dificultavam a retoma das obras, para a conclusão do projecto.

"Já existe dinheiro para a retoma das obras de execução deste empreendimento o mais rápido possível", rematou o Jomo Fortunato.

Sem precisar o valor disponível, o ministro disse ser pretensão do Presidente da República concluir com a execução física do Centro Cultural do Huambo até ao mês de Dezembro, tendo, por isso, anunciado o reinício das obras nos próximos dias.

Para o efeito, Jomo Francisco Fortunato fez saber que o Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente está a trabalhar para adequar as capacidades financeiras, em função da realidade actual, para que não se volte a registar problemas no decurso da execução das obras.

Enquanto isso, prometeu reunir-se com o empreiteiro, para que reinicie os trabalhos o mais rápido possível, enquanto sejam tratados os demais procedimentos administrativos para a respectiva cabimentação financeira.

Sublinhou que o centro poderá se transformar num espaço de referência para a cultura angolana, pois, além da função inicial vai, igualmente, permitir a integração do projecto “Somos cultura e Somos Angola”, de revitalização dos valores culturais.

O centro cultural do Huambo, uma das imponentes obras que surge no centro da cidade, na era pós-independência, possui dois cine-teatros, com um total de 200 lugares, duas salas de conferências, um espaço para apresentação de trabalhos de arte, literatura e música, duas salas para aulas de dança, igual número para artes plásticas e artesanato e uma de exposições.

Possui, igualmente, 11 lojas de especialidades artísticas e culturais, um restaurante, dois cafés e áreas de apoio aos actores e músicos durante as exibições, igual número de salas para aulas de música.

No cumprimento da sua agenda de trabalho, o ministro da Cultura, Turismo e Ambiente constatou, igualmente, o grau de funcionamento do Centro de Ecologia Tropical e Alterações Climatéricas, a Casa Ecológica I e II e a Estufa-fria, onde anunciou, também, a retoma das obras de construção do Aterro Sanitário do Huambo.

Para terça-feira, o ministro Jomo Francisco Fortunato, que efectua uma visita de trabalho de três dias a esta região do país, prevê orientar os actos de lançamento dos projectos de “Gestão Sustentável de terras na Região Central de Angola” e dos centros Agro-ecológicos, além de testemunhar a apresentação do projecto de requalificação da Estufa-fria.

 

Iniciadas em 2011, as obras de construção da infra-estrutura, inscritas, à época, no Programa de Investimento Público (PIP), paralisaram em 2014, alegadamente por falta de dinheiro.

Em declarações à imprensa, no final de uma visita de constatação ao empreendimento, o ministro garantiu terem sido já ultrapassados os constrangimentos de ordem financeira que dificultavam a retoma das obras, para a conclusão do projecto.

"Já existe dinheiro para a retoma das obras de execução deste empreendimento o mais rápido possível", rematou o Jomo Fortunato.

Sem precisar o valor disponível, o ministro disse ser pretensão do Presidente da República concluir com a execução física do Centro Cultural do Huambo até ao mês de Dezembro, tendo, por isso, anunciado o reinício das obras nos próximos dias.

Para o efeito, Jomo Francisco Fortunato fez saber que o Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente está a trabalhar para adequar as capacidades financeiras, em função da realidade actual, para que não se volte a registar problemas no decurso da execução das obras.

Enquanto isso, prometeu reunir-se com o empreiteiro, para que reinicie os trabalhos o mais rápido possível, enquanto sejam tratados os demais procedimentos administrativos para a respectiva cabimentação financeira.

Sublinhou que o centro poderá se transformar num espaço de referência para a cultura angolana, pois, além da função inicial vai, igualmente, permitir a integração do projecto “Somos cultura e Somos Angola”, de revitalização dos valores culturais.

O centro cultural do Huambo, uma das imponentes obras que surge no centro da cidade, na era pós-independência, possui dois cine-teatros, com um total de 200 lugares, duas salas de conferências, um espaço para apresentação de trabalhos de arte, literatura e música, duas salas para aulas de dança, igual número para artes plásticas e artesanato e uma de exposições.

Possui, igualmente, 11 lojas de especialidades artísticas e culturais, um restaurante, dois cafés e áreas de apoio aos actores e músicos durante as exibições, igual número de salas para aulas de música.

No cumprimento da sua agenda de trabalho, o ministro da Cultura, Turismo e Ambiente constatou, igualmente, o grau de funcionamento do Centro de Ecologia Tropical e Alterações Climatéricas, a Casa Ecológica I e II e a Estufa-fria, onde anunciou, também, a retoma das obras de construção do Aterro Sanitário do Huambo.

Para terça-feira, o ministro Jomo Francisco Fortunato, que efectua uma visita de trabalho de três dias a esta região do país, prevê orientar os actos de lançamento dos projectos de “Gestão Sustentável de terras na Região Central de Angola” e dos centros Agro-ecológicos, além de testemunhar a apresentação do projecto de requalificação da Estufa-fria.