Horizonte Njinga a Mbande estreia "Mulher sem Defeito"

  • Presidente da AAT, Adelino Caracol (Arquivo)
Luanda - A peça teatral denominada "A Mulher sem Defeito", do grupo Horizonte Nzinga Mbande, estreia nos dias 27, 28 e 29 deste mês.

A informação foi avançada nesta segunda-feira, em Luanda, pelo  director desse grupo cultural, Adelino Caracol.

Ao falar à Angop, Adelino Caracol afirmou que a iniciativa teatral enquadra-se nas celebrações do Dia Internacional  da Não Violência Contra as Mulheres, que se assinala na próxima quarta-feira (25).

A peça, cujo enredo aconselha os casais a pautar por uma boa conduta, será exibida em duas sessões (16 e 19 horas), durante três dias.

Acrescentou que a encenação mostra os vários ângulos sobre o que o casal vê um no outro, desde defeito, entre outras qualidades, que afectam as famílias e a vida conjugal.

Explicou que desde a reabertura das salas de teatro já foram realizadas quatro semanas de apresentação, com  uma média de participação de 35 pessoas, numa sala de 110 pessoas.

Para o efeito, a sala de teatro deste grupo de referência nacional, localizada na escola Njinga a Mbande, cumpre com o distanciamento físico, higienização das mãos e o uso obrigatório de máscara facial.

Adelino Caracol apontou ainda da necessidade de haver políticas de apoio à actividade cultural, uma medida que vai desenvolver essa indústria no país.

 

Os desafios do grupo passam por apostar na produção de sérias e a exibição de lives, numa fase em que o país e o mundo enfrentam à Covid-19.

Explicou que apesar da Covid-19, a actividade teatral deve continuar e deve ser encarada apenas como lazer, mas uma profissão que emprega e seja rentável.

O grupo Horizonte Njinga a Mbande, criado há 34 anos, tem mais de 50 peças de teatro e congrega 56 artistas,  desde infantil, núcleo de formação e o grupo A.

A informação foi avançada nesta segunda-feira, em Luanda, pelo  director desse grupo cultural, Adelino Caracol.

Ao falar à Angop, Adelino Caracol afirmou que a iniciativa teatral enquadra-se nas celebrações do Dia Internacional  da Não Violência Contra as Mulheres, que se assinala na próxima quarta-feira (25).

A peça, cujo enredo aconselha os casais a pautar por uma boa conduta, será exibida em duas sessões (16 e 19 horas), durante três dias.

Acrescentou que a encenação mostra os vários ângulos sobre o que o casal vê um no outro, desde defeito, entre outras qualidades, que afectam as famílias e a vida conjugal.

Explicou que desde a reabertura das salas de teatro já foram realizadas quatro semanas de apresentação, com  uma média de participação de 35 pessoas, numa sala de 110 pessoas.

Para o efeito, a sala de teatro deste grupo de referência nacional, localizada na escola Njinga a Mbande, cumpre com o distanciamento físico, higienização das mãos e o uso obrigatório de máscara facial.

Adelino Caracol apontou ainda da necessidade de haver políticas de apoio à actividade cultural, uma medida que vai desenvolver essa indústria no país.

 

Os desafios do grupo passam por apostar na produção de sérias e a exibição de lives, numa fase em que o país e o mundo enfrentam à Covid-19.

Explicou que apesar da Covid-19, a actividade teatral deve continuar e deve ser encarada apenas como lazer, mas uma profissão que emprega e seja rentável.

O grupo Horizonte Njinga a Mbande, criado há 34 anos, tem mais de 50 peças de teatro e congrega 56 artistas,  desde infantil, núcleo de formação e o grupo A.