“Ressureição” no mercado literário de Luanda

Luanda - A segunda edição da obra literária “Ressureição“, da escritora angolana Helena Dias, está já ao dispor dos leitores, após apresentação pública em Luanda.

A obra retrata o amor, desamor e as suas consequências na vida dos seres humanos.

Lançado pela primeira vez em 2019, sob chancela da editora Mayamba, segundo a autora, visa chamar atenção das pessoas da necessidade de se cultivar o amor, fazendo introspecção de si mesmo e do outro.    

“O verbo amar é confundido com o usar e com uma espécie de sentimento de posse”, o que Helena Dias considera errado.

A escritora Lueji Dharma, que prefaciou a obra (com mil exemplares de tiragem), considerou Helena Dias de patriota por caracterizar bem a linguagem luandense, principalmente dos bairros periféricos.

Helena Dias, de 30 anos de idade e natural de Luanda, é formada em Comunicação Social, exerce a actividade docente e consultoria de comunicação.  

É membro do movimento artístico Lev’arte e da União Brasileira de Escritores.

Em 2016, participou da antologia poética feminina “O canto da Kianda”.

A obra retrata o amor, desamor e as suas consequências na vida dos seres humanos.

Lançado pela primeira vez em 2019, sob chancela da editora Mayamba, segundo a autora, visa chamar atenção das pessoas da necessidade de se cultivar o amor, fazendo introspecção de si mesmo e do outro.    

“O verbo amar é confundido com o usar e com uma espécie de sentimento de posse”, o que Helena Dias considera errado.

A escritora Lueji Dharma, que prefaciou a obra (com mil exemplares de tiragem), considerou Helena Dias de patriota por caracterizar bem a linguagem luandense, principalmente dos bairros periféricos.

Helena Dias, de 30 anos de idade e natural de Luanda, é formada em Comunicação Social, exerce a actividade docente e consultoria de comunicação.  

É membro do movimento artístico Lev’arte e da União Brasileira de Escritores.

Em 2016, participou da antologia poética feminina “O canto da Kianda”.