MCTA destaca riqueza do património cultural angolano

  • Palácio do governo provincial do  Namibe, património cultural
Luanda – O Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente (MCTA) apontou, neste domingo, o património nacional como testemunho do percurso histórico e da sensibilidade dos angolanos nos diferentes contextos e situações.

Em mensagem no âmbito do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, o MCTA avança que Angola possui um património histórico, cultural e natural considerável, destacando-se edificações, sítios e lugares de memória, arte rupestre, parques naturais, fauna e flora.

Conforme o departamento ministerial, a garantia da transmissão do legado histórico e patrimonial às futuras gerações, num processo educacional de preservação e conservação, é de sua responsabilidade, por meio do Instituto Nacional do Património Cultural (INPC).

Adianta que ao longo do ano em curso, fruto das acções de preservação e divulgação do património artístico e cultural, foram classificados o Sona, figuras geométricas (desenhos na areia) da Região Leste, a Praça da Independência, Largo do Pelourinho, em Luanda,  a Ombala do Bailundo (Huambo) e Escombros do Palácio do Governo Provincial do Cunene.

Dados disponíveis indicam que o Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente tem inventariados 1.357 bens culturais susceptíveis à classificação como monumentos e sítios nacionais, por constituírem vestígios das cidades e acções humanas do passado que devem ser partilhadas, num momento em que o país aprimora a gestão, preservação e valorização do património existente, bem como a sua salvaguarda e divulgação.

No país foram classificados 280 bens como património cultural imóvel e inscritos três bens na lista indicativa da UNESCO.

Em mensagem no âmbito do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, o MCTA avança que Angola possui um património histórico, cultural e natural considerável, destacando-se edificações, sítios e lugares de memória, arte rupestre, parques naturais, fauna e flora.

Conforme o departamento ministerial, a garantia da transmissão do legado histórico e patrimonial às futuras gerações, num processo educacional de preservação e conservação, é de sua responsabilidade, por meio do Instituto Nacional do Património Cultural (INPC).

Adianta que ao longo do ano em curso, fruto das acções de preservação e divulgação do património artístico e cultural, foram classificados o Sona, figuras geométricas (desenhos na areia) da Região Leste, a Praça da Independência, Largo do Pelourinho, em Luanda,  a Ombala do Bailundo (Huambo) e Escombros do Palácio do Governo Provincial do Cunene.

Dados disponíveis indicam que o Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente tem inventariados 1.357 bens culturais susceptíveis à classificação como monumentos e sítios nacionais, por constituírem vestígios das cidades e acções humanas do passado que devem ser partilhadas, num momento em que o país aprimora a gestão, preservação e valorização do património existente, bem como a sua salvaguarda e divulgação.

No país foram classificados 280 bens como património cultural imóvel e inscritos três bens na lista indicativa da UNESCO.