Mentora das Gingas do Maculusso homenageada

  • Professora Rosa Roque
Luanda - As múltiplas valências culturais da professora Rosa Roque foram destacadas, nesta sexta-feira, em Luanda, durante a sua homenagem pública.

Numa organização da Mediateca de Luanda, no quadro do Março Mulher, Rosa Roqye foi distinguida, sobretudo, como mãe, por ter o cuidado de persistir em instruir todos de acordo com o seu talento e nunca ter desistido de quem quer fosse.

Segundo a responsável do Departamento de Mediatecas, Cândida Costa, a intenção é prestar uma singela homenagem a uma pessoa que muito tem dado em prol da cultura angolana.

“A professora merece este reconhecimento. Faremos neste mês dedicado a mulher, por sinal também o seu mês de aniversário, como impulso para tantas outras mulheres continuarem a dedicarem-se, da melhor maneira, nos seus a fazer”, disse Cândida Costa.

Para Paula Daniela, integrante do agrupamento As Gingas do Maculusso, Rosa Roque não se limitou a fazer delas cantoras, mas artistas que, com o seu talento, soubessem se inserir socialmente.

"Tivemos um aprendizado inclusivo e tornamo-nos um conjunto multifacetado', revelou.

Arnaldo Calado, amigo da homenageada, realçou que a professora não é o berço de um projecto musical, mas da Cultura Nacional.

Arnaldo Calado avançou que aprendeu muito com a forma como que a professora transmite conhecimentos, independentemente da questão laboral, sobretudo na altura em que apoiou o grupo.

Rosa Roque ganhou uma canção denominada "Nga Losa" que retrata alguns aspectos da sua maternidade musical.

Natural de Malange, Rosa Roque nasceu a 4 de Março de 1953. É responsável pelo surgimento do agrupamento musical As Gingas do Maculusso, em 1983.

Mentora do Projecto Avilupa Kuimbila, e do agrupamento musical, As Gingas do Maculusso, tendo ambos, funcionado, como uma Escola, para inúmeros artistas angolanos.

Com as Gingas produziu os álbuns “Mbanza Luanda”, “Malanje Natureza e Ritmos”, “Xiyami”, “Muenho” e “Luachimo”, com os quais efectuou tournée pela Europa, Ásia, América e África. No seu percurso consta outras obras até infantis a destacar a “Pérola Azul Brincadeira boa”. 

Além produzir para As Gingas, a professora teve presença incontornável no movimento da música infantil angolana, e compôs para vários artistas infantis.

Numa organização da Mediateca de Luanda, no quadro do Março Mulher, Rosa Roqye foi distinguida, sobretudo, como mãe, por ter o cuidado de persistir em instruir todos de acordo com o seu talento e nunca ter desistido de quem quer fosse.

Segundo a responsável do Departamento de Mediatecas, Cândida Costa, a intenção é prestar uma singela homenagem a uma pessoa que muito tem dado em prol da cultura angolana.

“A professora merece este reconhecimento. Faremos neste mês dedicado a mulher, por sinal também o seu mês de aniversário, como impulso para tantas outras mulheres continuarem a dedicarem-se, da melhor maneira, nos seus a fazer”, disse Cândida Costa.

Para Paula Daniela, integrante do agrupamento As Gingas do Maculusso, Rosa Roque não se limitou a fazer delas cantoras, mas artistas que, com o seu talento, soubessem se inserir socialmente.

"Tivemos um aprendizado inclusivo e tornamo-nos um conjunto multifacetado', revelou.

Arnaldo Calado, amigo da homenageada, realçou que a professora não é o berço de um projecto musical, mas da Cultura Nacional.

Arnaldo Calado avançou que aprendeu muito com a forma como que a professora transmite conhecimentos, independentemente da questão laboral, sobretudo na altura em que apoiou o grupo.

Rosa Roque ganhou uma canção denominada "Nga Losa" que retrata alguns aspectos da sua maternidade musical.

Natural de Malange, Rosa Roque nasceu a 4 de Março de 1953. É responsável pelo surgimento do agrupamento musical As Gingas do Maculusso, em 1983.

Mentora do Projecto Avilupa Kuimbila, e do agrupamento musical, As Gingas do Maculusso, tendo ambos, funcionado, como uma Escola, para inúmeros artistas angolanos.

Com as Gingas produziu os álbuns “Mbanza Luanda”, “Malanje Natureza e Ritmos”, “Xiyami”, “Muenho” e “Luachimo”, com os quais efectuou tournée pela Europa, Ásia, América e África. No seu percurso consta outras obras até infantis a destacar a “Pérola Azul Brincadeira boa”. 

Além produzir para As Gingas, a professora teve presença incontornável no movimento da música infantil angolana, e compôs para vários artistas infantis.