Ministério da Cultura  entrega prémios aos vencedores do Carnaval Live 2021    

  • Carnaval 2021
Luanda -  O Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente entregou, neste sábado, os prémios e diplomas  aos vencedores do Carnaval Live 2021.

O União 10 de Dezembro, vencedor da classe A, recebeu dois milhões de kwanzas, o Jovens da Cacimba, segundo colocado, levou um milhão e quinhentos mil kwanzas, enquanto o União Kwanza, terceiro classificado, recebeu um milhão kwanzas.

O vencedor da classe B, União Domant, teve como premio o valor de um milhão e 500 mil kwanzas , o União Operário Kobocomeu, segundo classificado,  um milhão de kwanzas, e o terceiro, União Kwanza, ficou com Kz 750 mil.

A propósito, o director Nacional da Cultura, Euclides da Lomba, reafirmou que o Carnaval Live serviu para mostrar uma nova visão de se produzir um espectáculo que pudesse ser acompanhado a partir de casa.

“A iniciativa serviu para se mostrar o potencial do Carnaval quanto as variações dos dançarinos, músicas, entre outros aspectos culturais”, frisou Euclides da Lomba.

Euclides da Lomba explicou ser pretensão do sector converter o Carnaval em produto rentável, por implicar o turismo, restauração, grandes armazéns de vendas de tecido, como acontece noutros países.

O União 10 de Dezembro, vencedor da classe A, recebeu dois milhões de kwanzas, o Jovens da Cacimba, segundo colocado, levou um milhão e quinhentos mil kwanzas, enquanto o União Kwanza, terceiro classificado, recebeu um milhão kwanzas.

O vencedor da classe B, União Domant, teve como premio o valor de um milhão e 500 mil kwanzas , o União Operário Kobocomeu, segundo classificado,  um milhão de kwanzas, e o terceiro, União Kwanza, ficou com Kz 750 mil.

A propósito, o director Nacional da Cultura, Euclides da Lomba, reafirmou que o Carnaval Live serviu para mostrar uma nova visão de se produzir um espectáculo que pudesse ser acompanhado a partir de casa.

“A iniciativa serviu para se mostrar o potencial do Carnaval quanto as variações dos dançarinos, músicas, entre outros aspectos culturais”, frisou Euclides da Lomba.

Euclides da Lomba explicou ser pretensão do sector converter o Carnaval em produto rentável, por implicar o turismo, restauração, grandes armazéns de vendas de tecido, como acontece noutros países.