Ministra de Estado destaca contributo dos agentes culturais

  • Carolina Cerqueira,  Ministra De Estado Para Area Social
Luanda – A ministra de Estado para a Área Social, Carolina Cerqueira, destacou, nesta sexta-feira, em Luanda, o contributo dos agentes culturais nesta fase de crise e pandemia de Covid-19.

Segundo a ministra, que falava à imprensa à margem da gala da entrega de galardões dos vencedores do Prémio Nacional de Cultura e Artes, edição 2020, a acção dos agentes culturais nesta fase tem sido uma mais-valia, pois levam ao público o alento de que se trata de uma fase passageira.

Conforme a ministra, a classe artística angolana tem mostrado um elevado sentido social, consubstanciado na promoção de acções de ajuda aos mais carenciados.

Em relação ao Prémio Nacional de Cultura e Artes (PNCA), Carolina Cerqueira avançou que serve para encorajar todos os artistas que, com espírito de serenidade, resiliência, criatividade e de sacrifício, têm elevado e preservado a cultura angolana.

"A serenidade, criatividade e tranquilidade devem persistir para que nos momentos difíceis, como a que estamos a viver, a música, o teatro, a dança, as artes plásticas e outras expressões da nossa cultura, possam nos unir como sempre uniu a Nação Angolana", reforçou.

Segundo a ministra, o evento serviu, igualmente, para homenagear todos  os artistas que morreram no presente ano.

Por seu turno, os premiados manifestaram satisfação pelo reconhecimento e consideraram  que o concurso contribuí para incentivar à criatividade e o surgimento de novos artistas.

Na presente edição foram premiados e distinguidos com diplomas de mérito e galardões Rosa Roque, na música, João Maimona, em literatura, o grupo Calofolofo Wino Wa Matemba, do Moxico, na dança, o artista plástico Paulo Kapela, em Artes Visuais e Plásticas.

O Centro de Estudos e Investigação Científica da Universidade Católica de Angola ficou com o prémio na disciplina de Investigação e Ciências Humanas e Sociais, Matan'yadi Noberto na categoria, em teatro, e Sarah Maldoror, em cinema e audiovisual.

A gala foi abrilhantada com músicas interpretadas por Bela Chicola, Gabriel Tchiema, Kizua Gourgel, Semba Muxima,  com a coreografia do grupo teatral Etu Lene e o grupo de dança tradicional  Ballet Nzinga Mbande.

O Prémio Nacional de Cultura e Artes é a mais importante distinção do Estado angolano neste sector, e tem como principal objetivo incentivar a criação artística  e cultural, bem como a investigação científica no domínio das ciências humanas e sociais.

O galardão é atribuído nas categoria de Literatura, Artes plásticas, Dança, Música, Teatro, Cinema e Audiovisual, Investigação e Ciências Humanas e sociais.

Segundo a ministra, que falava à imprensa à margem da gala da entrega de galardões dos vencedores do Prémio Nacional de Cultura e Artes, edição 2020, a acção dos agentes culturais nesta fase tem sido uma mais-valia, pois levam ao público o alento de que se trata de uma fase passageira.

Conforme a ministra, a classe artística angolana tem mostrado um elevado sentido social, consubstanciado na promoção de acções de ajuda aos mais carenciados.

Em relação ao Prémio Nacional de Cultura e Artes (PNCA), Carolina Cerqueira avançou que serve para encorajar todos os artistas que, com espírito de serenidade, resiliência, criatividade e de sacrifício, têm elevado e preservado a cultura angolana.

"A serenidade, criatividade e tranquilidade devem persistir para que nos momentos difíceis, como a que estamos a viver, a música, o teatro, a dança, as artes plásticas e outras expressões da nossa cultura, possam nos unir como sempre uniu a Nação Angolana", reforçou.

Segundo a ministra, o evento serviu, igualmente, para homenagear todos  os artistas que morreram no presente ano.

Por seu turno, os premiados manifestaram satisfação pelo reconhecimento e consideraram  que o concurso contribuí para incentivar à criatividade e o surgimento de novos artistas.

Na presente edição foram premiados e distinguidos com diplomas de mérito e galardões Rosa Roque, na música, João Maimona, em literatura, o grupo Calofolofo Wino Wa Matemba, do Moxico, na dança, o artista plástico Paulo Kapela, em Artes Visuais e Plásticas.

O Centro de Estudos e Investigação Científica da Universidade Católica de Angola ficou com o prémio na disciplina de Investigação e Ciências Humanas e Sociais, Matan'yadi Noberto na categoria, em teatro, e Sarah Maldoror, em cinema e audiovisual.

A gala foi abrilhantada com músicas interpretadas por Bela Chicola, Gabriel Tchiema, Kizua Gourgel, Semba Muxima,  com a coreografia do grupo teatral Etu Lene e o grupo de dança tradicional  Ballet Nzinga Mbande.

O Prémio Nacional de Cultura e Artes é a mais importante distinção do Estado angolano neste sector, e tem como principal objetivo incentivar a criação artística  e cultural, bem como a investigação científica no domínio das ciências humanas e sociais.

O galardão é atribuído nas categoria de Literatura, Artes plásticas, Dança, Música, Teatro, Cinema e Audiovisual, Investigação e Ciências Humanas e sociais.