Músicos juntam-se na festa da Dipanda

  • Cantor Pedrito
Luanda – Sem público face às restrições impostas pela pandemia da Covid-19, músicos angolanos de diversas gerações juntaram-se, nesta quarta-feira, num show de celebração dos 45 anos da Independência Nacional.

Com um cenário a condizer com as cores da bandeira nacional, o espectáculo começou com a exibição do grupo teatral Julu, que em aproximadamente 15 minutos mostrou a trajectória da luta de libertação nacional que culminou com a independência proclamada no Largo 1º de Maio, pelo primeiro Presidente de Angola, Agostinho Neto.

A história esteve estampada com os músicos a apresentarem os seus principais sucessos, alguns dos quais com a coreografia dos tempos idos.

Os humoristas dos Tunezas subiram, igualmente, ao palco e na sua exibição deixaram “ recados” aos mais jovens de como foi conquistada a Independência de Angola, e apelando a serenidade no momento, sempre referenciando algumas figuras do nacionalismo.

O espectáculo juntou músicos de todas as regiões do país, numa performance bastante sincronizada entre intérpretes e banda.

Cada um dos cantores interpretou sucessos de sua autoria e de músicos já falecidos que marcaram uma época, casos de David Zé, Urbano de Castro, Teta Lando,  Bangão, Tony Caetano, Belita Palma, entre outros

A velha geração levou ao palco Carlos Lamartine, Dina Santos, Calabeto, Carlos Baptista, Clara Monteiro, Robertinho, Pedrito, as Gingas do Maculusso, Filipe Mukenga, Beto Bungo, António Paulino, Lito Graça, Proletário

Entre os músicos da nova vaga realce para Margareth do Rosário, Kizua Gourgel, Kyaku Kyadaff, Legalize,Jojo Gouveia, Army Squad e Noite Dia, Justino Handanga, Malú, Gabriel Tchiema, Sandra Nyakatolo, Socorro, Tunjila Tuajokota.

Sob o acompanhamento instrumental da das bandas Movimento  e Maravilha, os artistas aproveitaram a jornada para enaltecer os feitos dos precursores da independência nacional.

 

Com um cenário a condizer com as cores da bandeira nacional, o espectáculo começou com a exibição do grupo teatral Julu, que em aproximadamente 15 minutos mostrou a trajectória da luta de libertação nacional que culminou com a independência proclamada no Largo 1º de Maio, pelo primeiro Presidente de Angola, Agostinho Neto.

A história esteve estampada com os músicos a apresentarem os seus principais sucessos, alguns dos quais com a coreografia dos tempos idos.

Os humoristas dos Tunezas subiram, igualmente, ao palco e na sua exibição deixaram “ recados” aos mais jovens de como foi conquistada a Independência de Angola, e apelando a serenidade no momento, sempre referenciando algumas figuras do nacionalismo.

O espectáculo juntou músicos de todas as regiões do país, numa performance bastante sincronizada entre intérpretes e banda.

Cada um dos cantores interpretou sucessos de sua autoria e de músicos já falecidos que marcaram uma época, casos de David Zé, Urbano de Castro, Teta Lando,  Bangão, Tony Caetano, Belita Palma, entre outros

A velha geração levou ao palco Carlos Lamartine, Dina Santos, Calabeto, Carlos Baptista, Clara Monteiro, Robertinho, Pedrito, as Gingas do Maculusso, Filipe Mukenga, Beto Bungo, António Paulino, Lito Graça, Proletário

Entre os músicos da nova vaga realce para Margareth do Rosário, Kizua Gourgel, Kyaku Kyadaff, Legalize,Jojo Gouveia, Army Squad e Noite Dia, Justino Handanga, Malú, Gabriel Tchiema, Sandra Nyakatolo, Socorro, Tunjila Tuajokota.

Sob o acompanhamento instrumental da das bandas Movimento  e Maravilha, os artistas aproveitaram a jornada para enaltecer os feitos dos precursores da independência nacional.