Torneio Kandengue Escritor será anual

  • Alexandre Costa, Secretário permanente da CNU-Angola, entrega de certificado de participação
Luanda- O secretário permanente da Comissão Nacional de Angola da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, Alexandre Costa, anunciou, nesta sexta-feira, que o torneio Kandengue Escritor passa a ser anual a partir da próxima edição.

Falando na cerimónia de entrega de prémios relativo a primeira edição, Alexandre Costa afirmou que o objectivo é estimular mais estudantes a participar e desenvolver a sua criatividade e originalidade em torno do tema a ser escolhido.

O projecto é destinado aos estudantes com idades compreendidas entre os 12 e 17 anos pertencentes a rede das escolas associadas (Rede- PEA) à Unesco e conta com a colaboração da União dos Escritores Angolanos (UEA), Fundação Arte e Cultura, Brigada Jovem de Literatura de Angola e o Instituto Nacional da Criança.

O concurso foi lançado em Fevereiro deste ano com o objectivo de dinamizar o Projecto Biblioteca Manual, estimular o prazer pela leitura e escrita, promover o contacto entre os escritores e os estudantes, dotar os estudantes de conhecimento sobre os direitos de autor, avaliar a percepção e expandir o conceito da cultura de paz nas escolas.

A primeira edição decorreu sob o lema “o papel do livro na promoção da cultura de paz” em que foram finalistas oito participantes.

 

Falando na cerimónia de entrega de prémios relativo a primeira edição, Alexandre Costa afirmou que o objectivo é estimular mais estudantes a participar e desenvolver a sua criatividade e originalidade em torno do tema a ser escolhido.

O projecto é destinado aos estudantes com idades compreendidas entre os 12 e 17 anos pertencentes a rede das escolas associadas (Rede- PEA) à Unesco e conta com a colaboração da União dos Escritores Angolanos (UEA), Fundação Arte e Cultura, Brigada Jovem de Literatura de Angola e o Instituto Nacional da Criança.

O concurso foi lançado em Fevereiro deste ano com o objectivo de dinamizar o Projecto Biblioteca Manual, estimular o prazer pela leitura e escrita, promover o contacto entre os escritores e os estudantes, dotar os estudantes de conhecimento sobre os direitos de autor, avaliar a percepção e expandir o conceito da cultura de paz nas escolas.

A primeira edição decorreu sob o lema “o papel do livro na promoção da cultura de paz” em que foram finalistas oito participantes.