Wilmar Nakeni vence Festival da Canção de Luanda

  • Wilmar Nakeni, vencedor Festival da Canção de Luanda
Luanda –Wilmar Nakeni venceu, com a música “Cale-se de mim", na noite desta sexta-feira, o Festival da Canção de Luanda.

O intérprete conquistou, igualmente, o prémio de melhor voz.

O prémio de melhor letra foi arrebatado por Bênção Neves, com a canção “Avenida das acácias”.

Já o prémio LAC Unitel, foi ganho pela interprete Glória da Lú, com a canção “Mãe diamante lapidado", e o de melhor interprete ficou com Jowsah, com a canção “Brilho".

Ao vencedor do grande prémio coube o valor de três milhões de kwanzas, melhor letra, 800 mil kwanzas, melhor voz, melhor interprete e LAC Unitel, o valor de 500 mil kwanzas, cada,  respectivamente.

O evento, que teve lugar no Palácio de Ferro, foi preenchido com um musical intitulado "O percurso da música angolana e suas nuances estéticas”, sob interpretação da Companhia Enigma  Teatro.

O espectáculo mostrou o percurso  da música angolana e o reflexo da poesia nas composições, numa peça que tem como base o poema "Namoro”, de Viriato da Cruz.

Durante 25 minutos, actores, dançarinos, músicos e outros "performers” entraram em cena para cantar temas, de diversos estilos e épocas.

 

O intérprete conquistou, igualmente, o prémio de melhor voz.

O prémio de melhor letra foi arrebatado por Bênção Neves, com a canção “Avenida das acácias”.

Já o prémio LAC Unitel, foi ganho pela interprete Glória da Lú, com a canção “Mãe diamante lapidado", e o de melhor interprete ficou com Jowsah, com a canção “Brilho".

Ao vencedor do grande prémio coube o valor de três milhões de kwanzas, melhor letra, 800 mil kwanzas, melhor voz, melhor interprete e LAC Unitel, o valor de 500 mil kwanzas, cada,  respectivamente.

O evento, que teve lugar no Palácio de Ferro, foi preenchido com um musical intitulado "O percurso da música angolana e suas nuances estéticas”, sob interpretação da Companhia Enigma  Teatro.

O espectáculo mostrou o percurso  da música angolana e o reflexo da poesia nas composições, numa peça que tem como base o poema "Namoro”, de Viriato da Cruz.

Durante 25 minutos, actores, dançarinos, músicos e outros "performers” entraram em cena para cantar temas, de diversos estilos e épocas.