Kulumbimbi clama por restauração urgente

  • Ruínas da antiga Sé Catedral (Kulumbimi)
Mbanza Kongo - As ruínas da antiga Sé Catedral (Kulumbimbi) carecem de uma restauração urgente, para evitar o seu desabamento, afirmou, nesta quarta-feira, a secretária de Estado da Cultura, Maria da Piedade de Jesus.

Em declarações à imprensa, após visita ao local, avançou a possibilidade de se encontrar um especialista na matéria, capaz de sugerir propostas que levem a sua restauração, sem ferir o aspecto arquitectónico original.

“O edifício já data de séculos, pelo que seria arriscado colocar uma argamassa na estrutura existente, o que provocaria um efeito inverso”, aclarou.

Maria da Piedade de Jesus reiterou que o Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente trabalha, em colaboração com o governo local, para se encontrar uma empresa com a idoneidade reconhecida para este fim.

Salientou que tratam-se de intervenções na arcada principal do edifício e na sua parte lateral esquerda, onde se encontra uma janela que apresenta já sinais de derrocada, culminando com a consolidação da estrutura em geral.

Notou que toda a intervenção, neste monumento histórico, deverá contar com o aval do Comité do Património Mundial da UNESCO, lembrando que o Kulumbimbi é um dos atributos que contribuiu para a inscrição do Centro Histórico de Mbanza Kongo na lista do Património Mundial.

Kulumbimbi é a primeira igreja construída na África sub-saariana, por missionários católicos que fizeram parte da primeira expedição portuguesa liderada por Diogo Cão.

O templo, agora em ruínas e sem tecto, foi construído com pedra e cal, em 1491, e está localizado no centro da cidade de Mbanza Kongo, ao lado do cemitério dos reis do Kongo.

Em declarações à imprensa, após visita ao local, avançou a possibilidade de se encontrar um especialista na matéria, capaz de sugerir propostas que levem a sua restauração, sem ferir o aspecto arquitectónico original.

“O edifício já data de séculos, pelo que seria arriscado colocar uma argamassa na estrutura existente, o que provocaria um efeito inverso”, aclarou.

Maria da Piedade de Jesus reiterou que o Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente trabalha, em colaboração com o governo local, para se encontrar uma empresa com a idoneidade reconhecida para este fim.

Salientou que tratam-se de intervenções na arcada principal do edifício e na sua parte lateral esquerda, onde se encontra uma janela que apresenta já sinais de derrocada, culminando com a consolidação da estrutura em geral.

Notou que toda a intervenção, neste monumento histórico, deverá contar com o aval do Comité do Património Mundial da UNESCO, lembrando que o Kulumbimbi é um dos atributos que contribuiu para a inscrição do Centro Histórico de Mbanza Kongo na lista do Património Mundial.

Kulumbimbi é a primeira igreja construída na África sub-saariana, por missionários católicos que fizeram parte da primeira expedição portuguesa liderada por Diogo Cão.

O templo, agora em ruínas e sem tecto, foi construído com pedra e cal, em 1491, e está localizado no centro da cidade de Mbanza Kongo, ao lado do cemitério dos reis do Kongo.