Comité de Gestão cumpre recomendações da UNESCO sobre Mbanza Kongo

  • Ruinas da Antiga Sé Catedral Católica "Kulumbimbi"
Mbanza Kongo- Oito das nove recomendações da UNESCO sobre Mbanza Kongo estão a ser materializadas, afirmou, esta quarta-feira, o coordenador do Comité de Gestão Participativa, Biluka Nsakala Nsenga.

Das recomendações feitas aquando da inscrição do Centro Histórico de Mbanza Kongo como Património Mundial, está por materializar a construção de um novo aeroporto fora do perímetro classificado. 

De acordo com Biluka Nsakala Nsenga, o Comité de Gestão Participativa elaborou e enviou ao Comité do Património Mundial um memorando que justifica os atrasos verificados na efectivação das recomendações.

Segundo disse, os peritos da UNESCO foram informados de que a pista do aeroporto local está interditada para voos comerciais, numa altura em que se reduziu também a frequência de aeronaves para outros fins.

O responsável, que abordou em palestra, na cidade de Mbanza Kongo, o tema “Recomendações da UNESCO e a Conservação do Bem Património Mundial", explicou que o Executivo está fortemente engajado em cumprir a recomendação em falta.

Lembrou que a área para o futuro aeroporto, denominada Nkiende 2, mereceu já trabalhos de desminagem, frisando que o arranque das obras está condicionada a pandemia da Covid-19.

As recomendações já efectivadas são nomeadamente a retirada das antenas metálicas de telecomunicações do centro da cidade, a definição das acções para a conservação do sítio histórico e a elaboração dos planos de regulamento urbanístico e director do turismo.

A elaboração dos indicadores de monitorização precisos, na base dos valores universais excepcionais, e o intercâmbio em matéria científica com os territórios do antigo Reino do Kongo, figuram também nas recomendações da UNESCO em execução.

Mbanza Kongo, actual capital da província do Zaire, foi o centro político e administrativo do Reino do Kongo, fundado no século XIV.

Este império abarcava o noroeste de Angola (incluindo Cabinda), sudoeste e oeste da República do Congo, a parte oeste da República Democrática do Congo (RDC) e o centro-sul do Gabão.

 

Das recomendações feitas aquando da inscrição do Centro Histórico de Mbanza Kongo como Património Mundial, está por materializar a construção de um novo aeroporto fora do perímetro classificado. 

De acordo com Biluka Nsakala Nsenga, o Comité de Gestão Participativa elaborou e enviou ao Comité do Património Mundial um memorando que justifica os atrasos verificados na efectivação das recomendações.

Segundo disse, os peritos da UNESCO foram informados de que a pista do aeroporto local está interditada para voos comerciais, numa altura em que se reduziu também a frequência de aeronaves para outros fins.

O responsável, que abordou em palestra, na cidade de Mbanza Kongo, o tema “Recomendações da UNESCO e a Conservação do Bem Património Mundial", explicou que o Executivo está fortemente engajado em cumprir a recomendação em falta.

Lembrou que a área para o futuro aeroporto, denominada Nkiende 2, mereceu já trabalhos de desminagem, frisando que o arranque das obras está condicionada a pandemia da Covid-19.

As recomendações já efectivadas são nomeadamente a retirada das antenas metálicas de telecomunicações do centro da cidade, a definição das acções para a conservação do sítio histórico e a elaboração dos planos de regulamento urbanístico e director do turismo.

A elaboração dos indicadores de monitorização precisos, na base dos valores universais excepcionais, e o intercâmbio em matéria científica com os territórios do antigo Reino do Kongo, figuram também nas recomendações da UNESCO em execução.

Mbanza Kongo, actual capital da província do Zaire, foi o centro político e administrativo do Reino do Kongo, fundado no século XIV.

Este império abarcava o noroeste de Angola (incluindo Cabinda), sudoeste e oeste da República do Congo, a parte oeste da República Democrática do Congo (RDC) e o centro-sul do Gabão.