Afeganistão: Ataques talibãs duplicaram depois de acordo com EUA

Cabul - Os ataques dos talibãs contra o Governo afegão aumentaram desde a assinatura do acordo entre os Estados Unidos e os rebeldes, em Fevereiro de 2020, indicou hoje, quinta-feira, um relatório oficial norte-americano.

Os "ataques iniciados pelos inimigos", atribuídos principalmente aos talibãs, passaram de 9.651 no final de 2019 para 13.242 no final de 2020, disse o Gabinete do inspector-geral especial para a reconstrução do Afeganistão (Sigar), citando dados da missão da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) no Afeganistão.

Esta é a primeira vez, desde Dezembro de 2019, que o Sigar publica números relativos a estes ataques.

Entre 01 de Março e 31 de Maio, quando os últimos dados foram recolhidos pela missão da OTAN no Afeganistão 'Resolute Support', antes da retirada da maioria das forças da coligação, foram registados 10.383 ataques, dos quais 3.268 foram fatais, de acordo com o Sigar.

A pedido do governo de Cabul, o inspector-geral não publica o número de baixas no exército, que integra cerca de 300 mil indivíduos.

A missão da OTAN indicou que a violência contra civis atingiu novos recordes em Abril e Maio, com 705 civis mortos e 1.330 feridos, um número idêntico ao registado nos três meses anteriores em conjunto.

O relatório atribuiu 93% das baixas civis nos últimos meses às forças antigovernamentais, 40% aos rebeldes talibãs, 38% a rebeldes não identificados, 14% ao grupo fundamentalista Estado Islâmico e menos de 1% à rede Haqqani (ligada aos talibãs).

O documento assinalou que os talibãs controlam um grande número de distritos nas zonas rurais, embora não controlem as grandes cidades.

"A tendência geral é claramente contra o Governo afegão" que, se não a inverter, pode cair, disse o inspector-geral, John Sopko, citado no relatório.

"Mais preocupante é a rapidez e a facilidade como os talibãs assumiram aparentemente o controlo de distritos no norte do país, um antigo reduto da oposição" ao movimento, acrescentou.

O recente avanço dos talibãs fez temer que pudessem voltar a tomar o poder, 20 anos depois de terem sido expulsos, no final de 2001, por uma coligação internacional liderada pelos Estados Unidos, na sequência da recusa de entregarem o antigo líder da Al-Qaida Usama bin Laden, após os ataques de 11 de Setembro.

No domingo, em Cabul, o chefe das operações dos EUA no Afeganistão, general Kenneth McKenzie, advertiu que os EUA vão manter os ataques aéreos contra os talibãs, se estes continuarem a ofensiva.

Os "ataques iniciados pelos inimigos", atribuídos principalmente aos talibãs, passaram de 9.651 no final de 2019 para 13.242 no final de 2020, disse o Gabinete do inspector-geral especial para a reconstrução do Afeganistão (Sigar), citando dados da missão da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) no Afeganistão.

Esta é a primeira vez, desde Dezembro de 2019, que o Sigar publica números relativos a estes ataques.

Entre 01 de Março e 31 de Maio, quando os últimos dados foram recolhidos pela missão da OTAN no Afeganistão 'Resolute Support', antes da retirada da maioria das forças da coligação, foram registados 10.383 ataques, dos quais 3.268 foram fatais, de acordo com o Sigar.

A pedido do governo de Cabul, o inspector-geral não publica o número de baixas no exército, que integra cerca de 300 mil indivíduos.

A missão da OTAN indicou que a violência contra civis atingiu novos recordes em Abril e Maio, com 705 civis mortos e 1.330 feridos, um número idêntico ao registado nos três meses anteriores em conjunto.

O relatório atribuiu 93% das baixas civis nos últimos meses às forças antigovernamentais, 40% aos rebeldes talibãs, 38% a rebeldes não identificados, 14% ao grupo fundamentalista Estado Islâmico e menos de 1% à rede Haqqani (ligada aos talibãs).

O documento assinalou que os talibãs controlam um grande número de distritos nas zonas rurais, embora não controlem as grandes cidades.

"A tendência geral é claramente contra o Governo afegão" que, se não a inverter, pode cair, disse o inspector-geral, John Sopko, citado no relatório.

"Mais preocupante é a rapidez e a facilidade como os talibãs assumiram aparentemente o controlo de distritos no norte do país, um antigo reduto da oposição" ao movimento, acrescentou.

O recente avanço dos talibãs fez temer que pudessem voltar a tomar o poder, 20 anos depois de terem sido expulsos, no final de 2001, por uma coligação internacional liderada pelos Estados Unidos, na sequência da recusa de entregarem o antigo líder da Al-Qaida Usama bin Laden, após os ataques de 11 de Setembro.

No domingo, em Cabul, o chefe das operações dos EUA no Afeganistão, general Kenneth McKenzie, advertiu que os EUA vão manter os ataques aéreos contra os talibãs, se estes continuarem a ofensiva.