Biden pede renúncia imediata de chefe da agência dos media

Washington - O presidente dos EUA, Joe Biden, pediu quarta-feira, logo após tomar posse a demissão do director executivo da Agência para os 'Media' Globais (USAGM), Michael Pack nomeado para esse posto por Donald Trump, revelou o funcionário.

Através de uma carta enviada aos efectivos da USAGM (sigla em inglês) e hoje divulgada pela agência noticiosa Efe, Pack referiu-se ao desejo de Biden em nomear uma nova direcção para a Agência, que agrupa entre outros a Voz da América (VOA), a Radio Free Europe /Radio Liberty, a Radio y Televisión Martí e a Radio Free Asia, que abrangem uma audiência de 350 milhões de pessoas.

"Sirvo não de acordo com os desejos de um Presidente em particular, mas do gabinete do Presidente em si. A nova administração pediu a minha renúncia e, por isso, oferecia-a às 14:00 de hoje", disse Pack na sua carta de quarta-feira.

Pack, um aliado próximo de Trump, assumiu a chefia da USAGM em Junho de 2020 e de seguida despediu os directores de diversos 'media' e designado para seu lugar pessoas leais ao ex-Presidente, que durante o seu mandato manteve uma relação conflituosa com a imprensa.

Pack também investigou jornalistas que na sua perspectiva eram parciais com Trump e prescindiu de um regulamento destinado a proteger a independência dos jornalistas do grupo, sendo muito criticado pelos opositores por prejudicar a credibilidade da USAGM.

Recusou ainda renovar as licenças para cerca de 80 jornalistas estrangeiros que trabalhavam para a USAGM, e que implicou o despedimento de alguns deles e o seu regresso aos países de origem como China, Etiópia ou Eritreia, precisa a Efe.

O Comité para a Protecção dos Jornalistas (CPJ) denunciou que essas medidas poderiam fazer perigar a vida dos repórteres, pelo receio de represálias nos seus países se origem e após terem trabalhado numa agência do Governo dos EUA.

No decurso da campanha para as presidenciais a equipa de Biden tinha já manifestado descontentamento face à actuação de Pack e na quarta-feira o novo Presidente nomeou a sua substituta, Kelo Chao, que durante anos trabalhou na Voz da América (VOA), onde exerceu funções de jornalista, chefe de serviço em mandarim e directora da divisão da Ásia Oriental, entre outros cargos.

Uma das primeiras medidas de Chao na liderança da USAGM foi a destituição de Robert Reilly, que tinha sido nomeado em Dezembro director da Voz da América, substituído interinamente pela espanhola Yolanda López, que se juntou à VOA em 2015 como chefe de Divisão da América Latina.

Por último, e nas últimas horas, também apresentou a demissão Jeffrey Shapiro, que tinha sido nomeado para dirigir a Radio y Televisión Martí.

Através de uma carta enviada aos efectivos da USAGM (sigla em inglês) e hoje divulgada pela agência noticiosa Efe, Pack referiu-se ao desejo de Biden em nomear uma nova direcção para a Agência, que agrupa entre outros a Voz da América (VOA), a Radio Free Europe /Radio Liberty, a Radio y Televisión Martí e a Radio Free Asia, que abrangem uma audiência de 350 milhões de pessoas.

"Sirvo não de acordo com os desejos de um Presidente em particular, mas do gabinete do Presidente em si. A nova administração pediu a minha renúncia e, por isso, oferecia-a às 14:00 de hoje", disse Pack na sua carta de quarta-feira.

Pack, um aliado próximo de Trump, assumiu a chefia da USAGM em Junho de 2020 e de seguida despediu os directores de diversos 'media' e designado para seu lugar pessoas leais ao ex-Presidente, que durante o seu mandato manteve uma relação conflituosa com a imprensa.

Pack também investigou jornalistas que na sua perspectiva eram parciais com Trump e prescindiu de um regulamento destinado a proteger a independência dos jornalistas do grupo, sendo muito criticado pelos opositores por prejudicar a credibilidade da USAGM.

Recusou ainda renovar as licenças para cerca de 80 jornalistas estrangeiros que trabalhavam para a USAGM, e que implicou o despedimento de alguns deles e o seu regresso aos países de origem como China, Etiópia ou Eritreia, precisa a Efe.

O Comité para a Protecção dos Jornalistas (CPJ) denunciou que essas medidas poderiam fazer perigar a vida dos repórteres, pelo receio de represálias nos seus países se origem e após terem trabalhado numa agência do Governo dos EUA.

No decurso da campanha para as presidenciais a equipa de Biden tinha já manifestado descontentamento face à actuação de Pack e na quarta-feira o novo Presidente nomeou a sua substituta, Kelo Chao, que durante anos trabalhou na Voz da América (VOA), onde exerceu funções de jornalista, chefe de serviço em mandarim e directora da divisão da Ásia Oriental, entre outros cargos.

Uma das primeiras medidas de Chao na liderança da USAGM foi a destituição de Robert Reilly, que tinha sido nomeado em Dezembro director da Voz da América, substituído interinamente pela espanhola Yolanda López, que se juntou à VOA em 2015 como chefe de Divisão da América Latina.

Por último, e nas últimas horas, também apresentou a demissão Jeffrey Shapiro, que tinha sido nomeado para dirigir a Radio y Televisión Martí.