Biden refere "tom positivo" de encontro com Putin e alerta contra interferências

  • Presidente Dos Eua  Joe Biden
Genebra - O Presidente norte-americano, Joe Biden, indicou hoje, quarta-feira, que o tom da cimeira com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, foi "positivo", mas assegurou ter advertido contra qualquer interferência nas eleições norte-americanas.

Joe Biden, que falava em conferência de imprensa após o encontro com Putin, afirmou ter dito claramente que os EUA não tolerarão tentativas de violação da soberania democrática ou de desestabilização das eleições democráticas, e que responderão.

O chefe da Casa Branca também indicou ter abordado questões relacionadas com os direitos humanos, incluindo os casos de dois norte-americanos que considerou estarem “erradamente detidos” na Rússia.

Biden manifestou preocupações sobre casos como Alexei Navalny, o líder da oposição a Putin que se encontra numa colónia penal, e que prosseguirá a abordar questões sobre “direitos humanos fundamentais, porque é isso que nós somos”.

O Presidente dos EUA também transmitiu a Putin a possibilidade de cooperação em “áreas de estabilidade estratégica”, segundo indicou nas suas declarações após o encontro de cerca de três horas com o líder do Kremlin. (Foto: Kevin Lamarque - Reuters)

Joe Biden, que falava em conferência de imprensa após o encontro com Putin, afirmou ter dito claramente que os EUA não tolerarão tentativas de violação da soberania democrática ou de desestabilização das eleições democráticas, e que responderão.

O chefe da Casa Branca também indicou ter abordado questões relacionadas com os direitos humanos, incluindo os casos de dois norte-americanos que considerou estarem “erradamente detidos” na Rússia.

Biden manifestou preocupações sobre casos como Alexei Navalny, o líder da oposição a Putin que se encontra numa colónia penal, e que prosseguirá a abordar questões sobre “direitos humanos fundamentais, porque é isso que nós somos”.

O Presidente dos EUA também transmitiu a Putin a possibilidade de cooperação em “áreas de estabilidade estratégica”, segundo indicou nas suas declarações após o encontro de cerca de três horas com o líder do Kremlin. (Foto: Kevin Lamarque - Reuters)