Biden reúne líderes e sociedade civil numa cimeira sobre democracia

  • Presidente dos EUA Joe Biden discursa na 76ª  Sessão ordinária da Assembleia Geral das Nações Unidas
Washington - O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, vai organizar, de forma virtual, uma "cimeira para a democracia" para qual vão ser convidados chefes de Estado e de Governo e representantes da sociedade, informou hoje a Casa Branca.

De acordo com o comunicado divulgado hoje pela Casa Branca, Joe Biden entende que devem ser discutidas três questões: "a luta contra o autoritarismo, o combate contra a corrupção e a promoção dos direitos humanos".

O Presidente norte-americano não forneceu detalhes sobre a lista de países que vai ser convidada para uma cimeira que é encarada como uma alternativa ao G20 e um desafio à República Popular da China.  

Os líderes do G20, cuja composição é determinada pelo poder económico de cada um dos países envolvidos, conta actualmente com a participação da República Popular da China ou da Arábia Saudita.

O G20 deve reunir-se no final do mês de Outubro, em Itália.

"O desafio do nosso tempo é mostrar que as democracias devem melhorar as vidas dos cidadãos e responder aos grandes problemas mundiais", refere o mesmo comunicado da Casa Branca.

De acordo com o comunicado divulgado hoje pela Casa Branca, Joe Biden entende que devem ser discutidas três questões: "a luta contra o autoritarismo, o combate contra a corrupção e a promoção dos direitos humanos".

O Presidente norte-americano não forneceu detalhes sobre a lista de países que vai ser convidada para uma cimeira que é encarada como uma alternativa ao G20 e um desafio à República Popular da China.  

Os líderes do G20, cuja composição é determinada pelo poder económico de cada um dos países envolvidos, conta actualmente com a participação da República Popular da China ou da Arábia Saudita.

O G20 deve reunir-se no final do mês de Outubro, em Itália.

"O desafio do nosso tempo é mostrar que as democracias devem melhorar as vidas dos cidadãos e responder aos grandes problemas mundiais", refere o mesmo comunicado da Casa Branca.