Brasil anuncia envio de missão humanitária multidisciplinar para o Haiti

Brasília - O Governo brasileiro anunciou na quinta-feira que enviará para o Haiti uma missão humanitária multidisciplinar, numa resposta de emergência à tragédia causada por um sismo no sábado, que já matou mais de 2.100 pessoas, noticiou a Lusa.

A missão, que foi decidida em 18 de Agosto, “contará com a participação de uma aeronave de transporte KC-390 Millennium, da Força Aérea Brasileira, prevista para partir em direcção a Porto Príncipe no próximo fim de semana, com o propósito de levar pessoal e material de apoio à emergência humanitária”, explicou o Ministério das Relações Exteriores do Brasil, em comunicado.


Ainda de acordo com o executivo, a missão deverá contar com equipas de especialistas e peritos em busca e resgate em estruturas urbanas colapsadas, além de contar com ‘kits’ de medicamentos e consumíveis estratégicos para assistência farmacêutica de emergência, doados pelo Ministério da Saúde.


Em causa está uma acção interministerial envolvendo os Ministérios da Justiça e Segurança Pública, da Defesa, das Relações Exteriores, da Saúde e do Desenvolvimento Regional, definida no âmbito do Grupo de Trabalho Interministerial sobre Cooperação Humanitária Internacional.


O Governo brasileiro salientou ainda que a configuração da missão poderá ser ajustada em função das necessidades e dos entendimentos que estão a ser mantidos com o executivo haitiano.


“Por ocasião do Dia Internacional Humanitário, celebrado em 19/08, o Governo do Brasil reitera a sua manifestação de solidariedade ao povo haitiano e reafirma o seu compromisso com o bem-estar e a estabilidade do Haiti”, conclui o comunicado.


O sismo de magnitude 7,2 na escala de Richter que abalou no sábado o Haiti fez pelo menos 2.189 mortos e 12.268 feridos, segundo um novo balanço da protecção civil haitiana, que aponta ainda que há pelo menos 332 pessoas desaparecidas.
A região mais afectada pelo sismo é o departamento do Sul, que registou 1.832 mortos, de acordo com o último boletim da Protecção Civil.


Cerca de 53 mil casas terão sido destruídas, com mais de 77 mil a terem sofrido vários danos.


A localidade mais afectada é Marigot, onde 500 das 615 habitações ficaram destruídas.


As autoridades estimam que 650 mil pessoas necessitem de ajuda humanitária urgente, o que corresponde a cerca de 40% da população das três regiões mais afectadas, situadas na península sudoeste do país.


O sismo de sábado já é o segundo mais letal dos últimos 25 anos na América Latina, depois do devastador terramoto de 2010 no Haiti.

 

A missão, que foi decidida em 18 de Agosto, “contará com a participação de uma aeronave de transporte KC-390 Millennium, da Força Aérea Brasileira, prevista para partir em direcção a Porto Príncipe no próximo fim de semana, com o propósito de levar pessoal e material de apoio à emergência humanitária”, explicou o Ministério das Relações Exteriores do Brasil, em comunicado.


Ainda de acordo com o executivo, a missão deverá contar com equipas de especialistas e peritos em busca e resgate em estruturas urbanas colapsadas, além de contar com ‘kits’ de medicamentos e consumíveis estratégicos para assistência farmacêutica de emergência, doados pelo Ministério da Saúde.


Em causa está uma acção interministerial envolvendo os Ministérios da Justiça e Segurança Pública, da Defesa, das Relações Exteriores, da Saúde e do Desenvolvimento Regional, definida no âmbito do Grupo de Trabalho Interministerial sobre Cooperação Humanitária Internacional.


O Governo brasileiro salientou ainda que a configuração da missão poderá ser ajustada em função das necessidades e dos entendimentos que estão a ser mantidos com o executivo haitiano.


“Por ocasião do Dia Internacional Humanitário, celebrado em 19/08, o Governo do Brasil reitera a sua manifestação de solidariedade ao povo haitiano e reafirma o seu compromisso com o bem-estar e a estabilidade do Haiti”, conclui o comunicado.


O sismo de magnitude 7,2 na escala de Richter que abalou no sábado o Haiti fez pelo menos 2.189 mortos e 12.268 feridos, segundo um novo balanço da protecção civil haitiana, que aponta ainda que há pelo menos 332 pessoas desaparecidas.
A região mais afectada pelo sismo é o departamento do Sul, que registou 1.832 mortos, de acordo com o último boletim da Protecção Civil.


Cerca de 53 mil casas terão sido destruídas, com mais de 77 mil a terem sofrido vários danos.


A localidade mais afectada é Marigot, onde 500 das 615 habitações ficaram destruídas.


As autoridades estimam que 650 mil pessoas necessitem de ajuda humanitária urgente, o que corresponde a cerca de 40% da população das três regiões mais afectadas, situadas na península sudoeste do país.


O sismo de sábado já é o segundo mais letal dos últimos 25 anos na América Latina, depois do devastador terramoto de 2010 no Haiti.