China diz que EUA vai pagar preço alto se embaixador na ONU for a Taiwan

  • Mapa da República Popular da  China
Pequim - A China ameaçou nesta quinta-feira os Estados Unidos com 'pagar um preço alto' caso o seu embaixador nas Nações Unidas, Kelly Craft, mantenha os planos anunciados pelo Departamento de Estado de viajar para Taiwan nos próximos dias.

"Os Estados Unidos pagarão um preço alto pela sua decisão errada", alerta um comunicado da missão chinesa na ONU, sublinhando que "a China exorta veementemente os Estados Unidos a parar com a sua provocação louca, a parar de criar novas dificuldades para as relações China-EUA e a cooperação entre os dois países nas Nações Unidas, e parar de seguir no caminho errado".

A China "opõe-se firmemente" à visita e exige que os EUA cancelem os seus planos, acrescenta o comunicado, reiterando a política de Pequim de uma única China, segundo a qual Taiwan é apenas uma província do continente.

A data exacta da visita de Craft não está clara. A agência de notícias estatal chinesa Xinhua também criticou a viagem, dizendo que a presença de um embaixador dos EUA em Taiwan violaria a soberania chinesa.

Funcionários do Governo Trump visitaram Taiwan no ano passado, apesar da oposição de Pequim, em meio a tensões EUA-China envolvendo o comércio, a segurança e os direitos humanos.

"Os Estados Unidos pagarão um preço alto pela sua decisão errada", alerta um comunicado da missão chinesa na ONU, sublinhando que "a China exorta veementemente os Estados Unidos a parar com a sua provocação louca, a parar de criar novas dificuldades para as relações China-EUA e a cooperação entre os dois países nas Nações Unidas, e parar de seguir no caminho errado".

A China "opõe-se firmemente" à visita e exige que os EUA cancelem os seus planos, acrescenta o comunicado, reiterando a política de Pequim de uma única China, segundo a qual Taiwan é apenas uma província do continente.

A data exacta da visita de Craft não está clara. A agência de notícias estatal chinesa Xinhua também criticou a viagem, dizendo que a presença de um embaixador dos EUA em Taiwan violaria a soberania chinesa.

Funcionários do Governo Trump visitaram Taiwan no ano passado, apesar da oposição de Pequim, em meio a tensões EUA-China envolvendo o comércio, a segurança e os direitos humanos.