Covid-19: China com 124 novos casos, 117 de contágio local

  • Artérias da Cidade De Beijing na China
Pequim - A Comissão de Saúde da China anunciou hoje ter identificado 124 casos de covid-19 nas últimas 24 horas, 117 dos quais são contágios locais registados em três províncias e duas cidades.

Os casos locais foram detectados no nordeste do país, nas províncias de Jilin (67), Heilongjiang (35) e Hebei (11).

Nas cidades de Pequim e de Xangai foram registados três casos e um, respectivamente.

As autoridades chinesas isolaram várias zonas naquelas províncias do nordeste do país, para controlar os diferentes surtos, e estão a realizar uma campanha maciça de testes à covid-19 entre a população, para travar o aumento dos casos.

Os três casos detectados em Pequim foram registados no distrito de Daxing, palco de um surto que as autoridades estão a tentar controlar através de confinamentos selectivos, rastreio de contactos próximos e testes maciços.

O Governo chinês está a tentar evitar a propagação da doença durante o período das festividades do Ano Novo Lunar, que este ano decorre entre 11 e 17 de Fevereiro, quando centenas de milhões de chineses regressaram aos locais de origem.

Em algumas províncias, as autoridades cancelaram férias, comemorações públicas e exposições típicas nesta época e pediram para limitar as deslocações a viagens essenciais.

A Comissão de Saúde da China indicou que os restantes sete casos detectados nas últimas 24 horas foram diagnosticados em viajantes oriundos do estrangeiro e chegados às cidades de Xangai (dois) e Tianjin (dois), e às províncias de Guangdong (dois) e Fujian (um).

O número de infectados activos no país fixou-se em 1.850, incluindo 109 em estado grave, acrescentou.

Em 14 de Janeiro, e depois de quase oito meses sem registar qualquer óbito, o organismo anunciou uma nova morte, o que eleva o número total de mortos para 4.635, de acordo com os dados oficiais.

Desde o início da pandemia, o país somou 89.115 infectados.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.121.070 mortos resultantes de mais de 98,6 milhões de casos de infecção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no final de Dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Os casos locais foram detectados no nordeste do país, nas províncias de Jilin (67), Heilongjiang (35) e Hebei (11).

Nas cidades de Pequim e de Xangai foram registados três casos e um, respectivamente.

As autoridades chinesas isolaram várias zonas naquelas províncias do nordeste do país, para controlar os diferentes surtos, e estão a realizar uma campanha maciça de testes à covid-19 entre a população, para travar o aumento dos casos.

Os três casos detectados em Pequim foram registados no distrito de Daxing, palco de um surto que as autoridades estão a tentar controlar através de confinamentos selectivos, rastreio de contactos próximos e testes maciços.

O Governo chinês está a tentar evitar a propagação da doença durante o período das festividades do Ano Novo Lunar, que este ano decorre entre 11 e 17 de Fevereiro, quando centenas de milhões de chineses regressaram aos locais de origem.

Em algumas províncias, as autoridades cancelaram férias, comemorações públicas e exposições típicas nesta época e pediram para limitar as deslocações a viagens essenciais.

A Comissão de Saúde da China indicou que os restantes sete casos detectados nas últimas 24 horas foram diagnosticados em viajantes oriundos do estrangeiro e chegados às cidades de Xangai (dois) e Tianjin (dois), e às províncias de Guangdong (dois) e Fujian (um).

O número de infectados activos no país fixou-se em 1.850, incluindo 109 em estado grave, acrescentou.

Em 14 de Janeiro, e depois de quase oito meses sem registar qualquer óbito, o organismo anunciou uma nova morte, o que eleva o número total de mortos para 4.635, de acordo com os dados oficiais.

Desde o início da pandemia, o país somou 89.115 infectados.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.121.070 mortos resultantes de mais de 98,6 milhões de casos de infecção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no final de Dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.