Covid-19: Governo grego prolonga confinamento até 18 de Janeiro

  • Ilustração do  Covid-19
Atenas – O Governo grego anunciou nesta sexta-feira um novo prolongamento até 18 de Janeiro do confinamento em vigor há dois meses, devido aos receios de um recrudescimento da pandemia, após a suavização das medidas durante as festas de fim de ano.

Inicialmente previstas para terminarem na próxima segunda-feira, as medidas de “suspensão do funcionamento do comércio vão prolongar-se até à manhã de 18 de Janeiro às 06:00 locais (04:00 em Lisboa)”, indicou em conferência de imprensa o ministro da Proteção civil, Nikos Hardalias.

No entanto, as escolas primárias e creches reabrem na segunda-feira após dois meses de encerramento, em meados de novembro. Os tribunais vão igualmente reabrir a 11 de Janeiro, segundo as autoridades.
“A luta contra a pandemia é dura (…). Ainda temos perante nós algumas semanas difíceis”, assinalou Nikos Hardalias.


A situação epidemiológica do país será de novo avaliada na próxima semana, acrescentou, sublinhando que o objetivo das autoridades e dos especialistas consiste em “evitar uma terceira vaga da pandemia”.


Em 07 de Novembro foi adoptado um confinamento estrito, acompanhado por um recolher obrigatório noturno com o objetivo de contar a segunda vaga da pandemia no país – mais virulenta face à registada na primavera –, antes de ser prolongado mais duas vezes, a primeira no início de dezembro por um mês, e no início de Janeiro por uma semana.


No entanto, com a aproximação do Natal, o Governo suavizou as medidas na segunda semana de Dezembro e autorizou a reabertura de cabeleireiros, igrejas com um número limitado de fiéis, e estabelecimentos com o sistema de levantamentos imediatos.


A população apenas será autorizada a circular para se deslocar a consultas médicas, farmácias, bancos, efectuar compras ou praticar exercício físico. Apenas vão permanecer abertas os estabelecimentos de alimentação e farmácias, e os assalariados são aconselhados a trabalhar à distância.
O uso de máscara será obrigatório no interior e no exterior, e a circulação está proibida entre as 22:00 e as 05:00.


A Grécia regista mais de 5.000 mortos desde o início do vírus em Fevereiro, do quais 4.000 registados nos dois últimos meses.
Diversos especialistas receiam um aumento dos casos de covid-19 após a celebração na quarta-feira da Epifania nas igrejas do país, apesar do confinamento exigido pelo Governo.


O executivo conservador está a ser muito criticado por não ter conseguido convencer a poderosa Igreja ortodoxa grega a encerrar as igrejas.
A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.899.936 mortos resultantes de mais de 88 milhões de casos de infecção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.


A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no final de Dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

 

Inicialmente previstas para terminarem na próxima segunda-feira, as medidas de “suspensão do funcionamento do comércio vão prolongar-se até à manhã de 18 de Janeiro às 06:00 locais (04:00 em Lisboa)”, indicou em conferência de imprensa o ministro da Proteção civil, Nikos Hardalias.

No entanto, as escolas primárias e creches reabrem na segunda-feira após dois meses de encerramento, em meados de novembro. Os tribunais vão igualmente reabrir a 11 de Janeiro, segundo as autoridades.
“A luta contra a pandemia é dura (…). Ainda temos perante nós algumas semanas difíceis”, assinalou Nikos Hardalias.


A situação epidemiológica do país será de novo avaliada na próxima semana, acrescentou, sublinhando que o objetivo das autoridades e dos especialistas consiste em “evitar uma terceira vaga da pandemia”.


Em 07 de Novembro foi adoptado um confinamento estrito, acompanhado por um recolher obrigatório noturno com o objetivo de contar a segunda vaga da pandemia no país – mais virulenta face à registada na primavera –, antes de ser prolongado mais duas vezes, a primeira no início de dezembro por um mês, e no início de Janeiro por uma semana.


No entanto, com a aproximação do Natal, o Governo suavizou as medidas na segunda semana de Dezembro e autorizou a reabertura de cabeleireiros, igrejas com um número limitado de fiéis, e estabelecimentos com o sistema de levantamentos imediatos.


A população apenas será autorizada a circular para se deslocar a consultas médicas, farmácias, bancos, efectuar compras ou praticar exercício físico. Apenas vão permanecer abertas os estabelecimentos de alimentação e farmácias, e os assalariados são aconselhados a trabalhar à distância.
O uso de máscara será obrigatório no interior e no exterior, e a circulação está proibida entre as 22:00 e as 05:00.


A Grécia regista mais de 5.000 mortos desde o início do vírus em Fevereiro, do quais 4.000 registados nos dois últimos meses.
Diversos especialistas receiam um aumento dos casos de covid-19 após a celebração na quarta-feira da Epifania nas igrejas do país, apesar do confinamento exigido pelo Governo.


O executivo conservador está a ser muito criticado por não ter conseguido convencer a poderosa Igreja ortodoxa grega a encerrar as igrejas.
A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.899.936 mortos resultantes de mais de 88 milhões de casos de infecção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.


A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no final de Dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.