Covid-19: OMS denuncia desigualdade na distribuição de vacinas

  • Lote de vacinas contra a Covid-19
Genebra – O director-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse hoje que as vacinas contra a covid-19 continuam a não chegar aos países mais pobres.

A denuncia de Tedros Adhanom Ghebreyesus foi feita no dia em que se assinala o primeiro aniversário do programa COVAX das Nações Unidas, cujo objectivo é garantir que todos os países têm acesso à vacinação.

“Quase 900 milhões de doses de vacinas foram distribuídas globalmente, mas mais de 81 por cento foram para países de rendimentos médios/altos a altos, enquanto os países de baixos rendimentos receberam apenas 0,3 por cento”, lamentou Tedros Adhanom Ghebreyesus.

O director da OMS tinha já por várias vezes denunciado a injusta distribuição de vacinas e apelado aos países mais ricos que partilhem as doses em excesso para ajudarem a vacinas os profissionais de saúde de países pobres.

Até agora, o COVAX distribuiu 40,5 milhões de doses por 118 países e pretende alcançar dois mil milhões de doses até ao final deste ano.

A denuncia de Tedros Adhanom Ghebreyesus foi feita no dia em que se assinala o primeiro aniversário do programa COVAX das Nações Unidas, cujo objectivo é garantir que todos os países têm acesso à vacinação.

“Quase 900 milhões de doses de vacinas foram distribuídas globalmente, mas mais de 81 por cento foram para países de rendimentos médios/altos a altos, enquanto os países de baixos rendimentos receberam apenas 0,3 por cento”, lamentou Tedros Adhanom Ghebreyesus.

O director da OMS tinha já por várias vezes denunciado a injusta distribuição de vacinas e apelado aos países mais ricos que partilhem as doses em excesso para ajudarem a vacinas os profissionais de saúde de países pobres.

Até agora, o COVAX distribuiu 40,5 milhões de doses por 118 países e pretende alcançar dois mil milhões de doses até ao final deste ano.