Covid-19: Protestos contra o certificado de saúde em várias cidades francesas pela quarta semana consecutiva

  • Dístico do Covid-19 Novo Coronavírus
Paris - Milhares de pessoas marcharam sábado, em Paris e outras cidades francesas, pelo quarto fim de semana consecutivo, em protesto contra os certificados de saúde COVID-19, que vão ser obrigatórios em França para se entrar em cafés, comboios e outros locais, noticiou a Lusa.

As manifestações deste sábado aconteceram dois dias depois de o Tribunal Constitucional francês aprovar a maioria das disposições de uma nova lei que expande o conjunto de locais a cujo acesso é obrigatória a apresentação de passes de saúde válidos.


A partir de segunda-feira, o passe será necessário em França para aceder a cafés, restaurantes, viagens de longa distância e, em alguns casos, hospitais.


A obrigatoriedade da apresentação do passe estava já em vigor para o acesso a locais culturais e recreativos, incluindo cinemas, salas de concertos e parques temáticos com capacidade para mais de 50 pessoas.


Uma multidão de manifestantes pacífica atravessou Paris acompanhada por polícia anti-motim equipada a rigor, exibindo bandeiras em que se que liam frases ou “slogans” como: “As nossas liberdades estão a morrer” e “Vacina: Não toquem nos nossos filhos”.


Dezenas de manifestações foram organizados em outras cidades francesas, incluindo Marselha, Nice e Lille.


Alguns manifestantes protestaram também contra o facto de o Governo francês ter tornado as vacinas COVID-19 obrigatórias para os trabalhadores do sector da saúde até 15 de Setembro.


A generalidade dos protestos centrou-se na limitação ao movimento dos cidadãos imposta pela obrigatoriedade dos certificados e da vacinação.
As sondagens, contudo, mostram que a maioria das pessoas em França apoia os passes de saúde, que certificam que as pessoas estão vacinadas, apresentaram um teste recente negativo ou recuperaram da COVID-19.


Muriel, 55 anos, uma parisiense que se recusou a revelar o seu apelido, disse à agência Associated Press (AP) que protesta especialmente “contra a vacinação obrigatória disfarçada”. “É um golpe inacreditável contra as nossas liberdades fundamentais e por isso não estou de acordo”.


Ghislain, 58 anos, que também não deu o seu apelido, chamou a atenção para as greves de trabalhadores hospitalares e bombeiros, esperadas já a partir de segunda-feira, e para o movimento de boicote esperado aos restaurantes.


Um protesto separado organizado pelo político de extrema-direita Florian Philippot reuniu milhares de pessoas junto ao Ministério da Saúde no centro de Paris, onde muitos manifestantes exibiram bandeiras francesas e apelaram à demissão do Presidente francês, Emmanuel Macron.


Na ilha da Reunião, um território francês no oceano Índico que se encontra sob confinamento parcial devido a um surto de Covid-19, milhares de pessoas saíram às ruas para protestar contra a campanha de certificação obrigatória.


A França regista diariamente mais de 21.000 novos casos confirmados de contaminação pelo vírus SARS-CoV-2, numa tendência de subida pronunciada desde há um mês, e mais de 112.000 pessoas já morreram por razões associadas à Covid-19.


Mais de 36 milhões de pessoas em França – cerca de 54% da população – estão totalmente vacinadas. Pelo menos 7 milhões de pessoas receberam a primeira dose da vacina depois da imposição do certificado Covid-19, anunciado por Macron em 12 de Julho.


Um número crescente de países europeus começou a impor a apresentação do certificado de saúde Covid-19, cada um com regras ligeiramente diferentes.


O “passe verde” em Itália entrou em vigor esta sexta-feira. A Dinamarca foi pioneira nos certificados de vacina, que enfrentaram fraca resistência por parte da população dinamarquesa. Na Áustria, o passe é necessário para entrar em restaurantes, teatros, hotéis, instalações desportivas e cabeleireiros.


Em contrapartida, na Alemanha, os protestos em Berlim no passado fim-de-semana provocaram violentos confrontos com a polícia.

 

As manifestações deste sábado aconteceram dois dias depois de o Tribunal Constitucional francês aprovar a maioria das disposições de uma nova lei que expande o conjunto de locais a cujo acesso é obrigatória a apresentação de passes de saúde válidos.


A partir de segunda-feira, o passe será necessário em França para aceder a cafés, restaurantes, viagens de longa distância e, em alguns casos, hospitais.


A obrigatoriedade da apresentação do passe estava já em vigor para o acesso a locais culturais e recreativos, incluindo cinemas, salas de concertos e parques temáticos com capacidade para mais de 50 pessoas.


Uma multidão de manifestantes pacífica atravessou Paris acompanhada por polícia anti-motim equipada a rigor, exibindo bandeiras em que se que liam frases ou “slogans” como: “As nossas liberdades estão a morrer” e “Vacina: Não toquem nos nossos filhos”.


Dezenas de manifestações foram organizados em outras cidades francesas, incluindo Marselha, Nice e Lille.


Alguns manifestantes protestaram também contra o facto de o Governo francês ter tornado as vacinas COVID-19 obrigatórias para os trabalhadores do sector da saúde até 15 de Setembro.


A generalidade dos protestos centrou-se na limitação ao movimento dos cidadãos imposta pela obrigatoriedade dos certificados e da vacinação.
As sondagens, contudo, mostram que a maioria das pessoas em França apoia os passes de saúde, que certificam que as pessoas estão vacinadas, apresentaram um teste recente negativo ou recuperaram da COVID-19.


Muriel, 55 anos, uma parisiense que se recusou a revelar o seu apelido, disse à agência Associated Press (AP) que protesta especialmente “contra a vacinação obrigatória disfarçada”. “É um golpe inacreditável contra as nossas liberdades fundamentais e por isso não estou de acordo”.


Ghislain, 58 anos, que também não deu o seu apelido, chamou a atenção para as greves de trabalhadores hospitalares e bombeiros, esperadas já a partir de segunda-feira, e para o movimento de boicote esperado aos restaurantes.


Um protesto separado organizado pelo político de extrema-direita Florian Philippot reuniu milhares de pessoas junto ao Ministério da Saúde no centro de Paris, onde muitos manifestantes exibiram bandeiras francesas e apelaram à demissão do Presidente francês, Emmanuel Macron.


Na ilha da Reunião, um território francês no oceano Índico que se encontra sob confinamento parcial devido a um surto de Covid-19, milhares de pessoas saíram às ruas para protestar contra a campanha de certificação obrigatória.


A França regista diariamente mais de 21.000 novos casos confirmados de contaminação pelo vírus SARS-CoV-2, numa tendência de subida pronunciada desde há um mês, e mais de 112.000 pessoas já morreram por razões associadas à Covid-19.


Mais de 36 milhões de pessoas em França – cerca de 54% da população – estão totalmente vacinadas. Pelo menos 7 milhões de pessoas receberam a primeira dose da vacina depois da imposição do certificado Covid-19, anunciado por Macron em 12 de Julho.


Um número crescente de países europeus começou a impor a apresentação do certificado de saúde Covid-19, cada um com regras ligeiramente diferentes.


O “passe verde” em Itália entrou em vigor esta sexta-feira. A Dinamarca foi pioneira nos certificados de vacina, que enfrentaram fraca resistência por parte da população dinamarquesa. Na Áustria, o passe é necessário para entrar em restaurantes, teatros, hotéis, instalações desportivas e cabeleireiros.


Em contrapartida, na Alemanha, os protestos em Berlim no passado fim-de-semana provocaram violentos confrontos com a polícia.