Covid-19: Síntese Mundial

  • Dístico do Covid-19 Novo Coronavírus
Paris - A pandemia da covid-19 já causou pelo menos 1.422.951 mortos no mundo desde que o novo coronavírus foi descoberto em Dezembro na China, indicou hoje o balanço diário realizado pela agência France-Presse (AFP) com base em fontes oficiais.

Mais de 60.427.590 casos de infecção com o novo coronavírus (SARS-Cov-2) foram diagnosticados oficialmente no mesmo período no mundo, dos quais pelo menos 38.532.900 são pessoas consideradas como recuperadas e curadas, de acordo com os dados reunidos pela agência internacional.
Nas últimas 24 horas, registaram-se mais 12.351 mortes e 635.138 novos casos da doença covid-19 em todo o mundo, segundo a AFP.


A agência noticiosa francesa sublinha que o número de casos diagnosticados só reflete, contudo, uma fração do número real de infecções.
Alguns países só testam os casos graves, outros utilizam os testes sobretudo para rastreamento e muitos países pobres dispõem de limitadas capacidades de despistagem.


Os países que registaram mais mortes no último dia foram, e de acordo com os respectivos balanços, os Estados Unidos da América (EUA) com 2.439 óbitos, o México (858) e Itália (722).


Os Estados Unidos continuam a ser o país mais afetado, tanto em número de mortos como de casos, com um total de 262.283 mortes entre 12.778.254 casos recenseados, segundo o balanço da universidade norte-americana Johns Hopkins.


No mesmo país, pelo menos 4.835.956 pessoas foram declaradas como curadas.


Depois dos Estados Unidos, os países mais afectados são o Brasil com 170.769 mortos em 6.166.606 casos, a Índia com 135.223 mortos (9.266.705 casos), o México com 103.597 mortos (1.070.487 casos) e o Reino Unido com 56.533 mortos (1.557.007 casos).


Ainda entre os países mais afetados, a Bélgica é o que conta com mais mortos em relação à sua população, com 138 óbitos por cada 100.000 habitantes, seguido pelo Peru (108), Espanha (94) e Itália (86).


A China (sem os territórios de Hong Kong e Macau) declarou oficialmente um total de 86.490 casos (21 novas infecções nas últimas 24 horas), bem como 4.634 mortes (nenhuma no último dia) e 81.550 recuperações.


Por regiões, a América Latina e as Caraíbas totalizavam até hoje (às 12:00 hora de Lisboa) 440.211 mortes em 12.673.887 casos de infecção, a Europa 390.074 mortes (17.166.670 casos), os Estados Unidos e o Canadá 273.972 mortes (13.123.532 casos), a Ásia 190.919 mortes (12.110.417 casos), o Médio Oriente 76.191 mortes (3.214.016 casos), a África 50.643 mortes (2.108.855 casos) e a Oceânia 941 mortes (30.221 casos).


Este balanço foi realizado a partir de dados recolhidos pelas delegações da AFP junto das autoridades nacionais competentes e de informações da Organização Mundial da Saúde (OMS).


Devido a correcções feitas pelas autoridades ou a notificações tardias, o aumento dos números diários pode não corresponder exactamente aos dados publicados no dia anterior, segundo referiu a AFP.

 

Mais de 60.427.590 casos de infecção com o novo coronavírus (SARS-Cov-2) foram diagnosticados oficialmente no mesmo período no mundo, dos quais pelo menos 38.532.900 são pessoas consideradas como recuperadas e curadas, de acordo com os dados reunidos pela agência internacional.
Nas últimas 24 horas, registaram-se mais 12.351 mortes e 635.138 novos casos da doença covid-19 em todo o mundo, segundo a AFP.


A agência noticiosa francesa sublinha que o número de casos diagnosticados só reflete, contudo, uma fração do número real de infecções.
Alguns países só testam os casos graves, outros utilizam os testes sobretudo para rastreamento e muitos países pobres dispõem de limitadas capacidades de despistagem.


Os países que registaram mais mortes no último dia foram, e de acordo com os respectivos balanços, os Estados Unidos da América (EUA) com 2.439 óbitos, o México (858) e Itália (722).


Os Estados Unidos continuam a ser o país mais afetado, tanto em número de mortos como de casos, com um total de 262.283 mortes entre 12.778.254 casos recenseados, segundo o balanço da universidade norte-americana Johns Hopkins.


No mesmo país, pelo menos 4.835.956 pessoas foram declaradas como curadas.


Depois dos Estados Unidos, os países mais afectados são o Brasil com 170.769 mortos em 6.166.606 casos, a Índia com 135.223 mortos (9.266.705 casos), o México com 103.597 mortos (1.070.487 casos) e o Reino Unido com 56.533 mortos (1.557.007 casos).


Ainda entre os países mais afetados, a Bélgica é o que conta com mais mortos em relação à sua população, com 138 óbitos por cada 100.000 habitantes, seguido pelo Peru (108), Espanha (94) e Itália (86).


A China (sem os territórios de Hong Kong e Macau) declarou oficialmente um total de 86.490 casos (21 novas infecções nas últimas 24 horas), bem como 4.634 mortes (nenhuma no último dia) e 81.550 recuperações.


Por regiões, a América Latina e as Caraíbas totalizavam até hoje (às 12:00 hora de Lisboa) 440.211 mortes em 12.673.887 casos de infecção, a Europa 390.074 mortes (17.166.670 casos), os Estados Unidos e o Canadá 273.972 mortes (13.123.532 casos), a Ásia 190.919 mortes (12.110.417 casos), o Médio Oriente 76.191 mortes (3.214.016 casos), a África 50.643 mortes (2.108.855 casos) e a Oceânia 941 mortes (30.221 casos).


Este balanço foi realizado a partir de dados recolhidos pelas delegações da AFP junto das autoridades nacionais competentes e de informações da Organização Mundial da Saúde (OMS).


Devido a correcções feitas pelas autoridades ou a notificações tardias, o aumento dos números diários pode não corresponder exactamente aos dados publicados no dia anterior, segundo referiu a AFP.