Cresce no Reino Unido preocupação com variante indiana da covid-19

  • Boris Johnson, Primeiro Ministro Britanico
Londres - O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, manifestou hoje preocupação sobre surtos localizados na Inglaterra da variante do coronavírus que surgiu na Índia e "não descartou nada" para combatê-los, embora tenha expressado a confiança no processo de flexibilização do confinamento.

"É uma variante preocupante", disse o líder conservador aos repórteres durante a visita a uma escola.

"Há uma gama muito ampla de opiniões científicas sobre o que poderia acontecer", afirmou. "Há uma série de coisas que podemos fazer, não estamos a descartar nada", acrescentou antes de uma reunião do grupo de cientistas que assessora o Governo.

Os dados mais recentes de um estudo publicado hoje apontam que o número de casos de covid-19 caiu pela metade desde o mês passado na Inglaterra, com agora um caso para cada 1.000 habitantes.

No entanto, a mídia britânica relatou surtos localizados da variante indiana, especialmente em Bolton, perto de Manchester, no norte da Inglaterra.

Mas Johnson mostrou-se confiante sobre os próximos estágios do desconfinamento, programados na Inglaterra na próxima segunda-feira e 21 de Junho, dia em que, de acordo com um roteiro bastante progressivo, a maioria das restrições restantes deveriam ser suspensas.

"No momento, não vejo nada que me dissuade de pensar que podemos seguir na segunda-feira e 21 de Junho em todos os lugares, mas podemos ter coisas para fazer localmente e não hesitaremos se este for o conselho", acrescentou.

Duramente atingido pela pandemia, com mais de 127.600 mortes, o Reino Unido iniciou uma grande campanha de vacinação: quase 36 milhões de pessoas receberam a primeira dose e 18,5 milhões a segunda.

O Governo estabeleceu a meta de oferecer pelo menos uma primeira dose a todos os adultos até 31 de Julho.

"É uma variante preocupante", disse o líder conservador aos repórteres durante a visita a uma escola.

"Há uma gama muito ampla de opiniões científicas sobre o que poderia acontecer", afirmou. "Há uma série de coisas que podemos fazer, não estamos a descartar nada", acrescentou antes de uma reunião do grupo de cientistas que assessora o Governo.

Os dados mais recentes de um estudo publicado hoje apontam que o número de casos de covid-19 caiu pela metade desde o mês passado na Inglaterra, com agora um caso para cada 1.000 habitantes.

No entanto, a mídia britânica relatou surtos localizados da variante indiana, especialmente em Bolton, perto de Manchester, no norte da Inglaterra.

Mas Johnson mostrou-se confiante sobre os próximos estágios do desconfinamento, programados na Inglaterra na próxima segunda-feira e 21 de Junho, dia em que, de acordo com um roteiro bastante progressivo, a maioria das restrições restantes deveriam ser suspensas.

"No momento, não vejo nada que me dissuade de pensar que podemos seguir na segunda-feira e 21 de Junho em todos os lugares, mas podemos ter coisas para fazer localmente e não hesitaremos se este for o conselho", acrescentou.

Duramente atingido pela pandemia, com mais de 127.600 mortes, o Reino Unido iniciou uma grande campanha de vacinação: quase 36 milhões de pessoas receberam a primeira dose e 18,5 milhões a segunda.

O Governo estabeleceu a meta de oferecer pelo menos uma primeira dose a todos os adultos até 31 de Julho.