EUA acabam com discriminação a pessoas transgénero no acesso a abrigos

  • Bandeira dos EUA
Washington - O Departamento de Habitação e Desenvolvimento Urbano do governo dos EUA está a abandonar uma política de Donald Trump que permitia aos abrigos financiados com dinheiro público recusar albergar pessoas transgénero.

A decisão é particularmente simbólica, uma vez que a política nunca foi aplicada e continuava a ser discutida acaloradamente na última campanha eleitoral, em que Trump perdeu a corrida pela reeleição.

Uma das primeiras decisões de Joe Biden, enquanto presidente, foi assinar em 20 de Janeiro uma ordem executiva sobre o combate à discriminação baseada no género ou na orientação sexual.

"O acesso a habitação segura e estável - e abrigo - é uma necessidade básica", disse a nova secretária do Departamento, Marcia Fudge.

"Infelizmente, pessoas transgénero, entre outras, relatam mais casos de instabilidade na habitação e sem-abrigo do que as pessoas cisgénero. Hoje, estamos a dar passos críticos para afirmar o compromisso do Departamento em que não seja negado a qualquer pessoa o acesso a habitação ou outros serviços críticos devido à sua identidade de género", acrescentou a dirigente.

A decisão é particularmente simbólica, uma vez que a política nunca foi aplicada e continuava a ser discutida acaloradamente na última campanha eleitoral, em que Trump perdeu a corrida pela reeleição.

Uma das primeiras decisões de Joe Biden, enquanto presidente, foi assinar em 20 de Janeiro uma ordem executiva sobre o combate à discriminação baseada no género ou na orientação sexual.

"O acesso a habitação segura e estável - e abrigo - é uma necessidade básica", disse a nova secretária do Departamento, Marcia Fudge.

"Infelizmente, pessoas transgénero, entre outras, relatam mais casos de instabilidade na habitação e sem-abrigo do que as pessoas cisgénero. Hoje, estamos a dar passos críticos para afirmar o compromisso do Departamento em que não seja negado a qualquer pessoa o acesso a habitação ou outros serviços críticos devido à sua identidade de género", acrescentou a dirigente.