EUA instam Rússia a permitir acesso médico "independente" a Navalny

Washington - Os Estados Unidos instaram hoje a Rússia a permitir que médicos "independentes" vejam "imediatamente" Alexei Navalny, e advertiram novamente com "consequências" se algo acontecer ao opositor russo durante a sua detenção.

O porta-voz da diplomacia norte-americana Ned Price assegurou que Washington "comunicou" a sua posição a Moscovo "sem ambiguidades", "em público" mas também "por outros canais".

"Como eles são responsáveis pela deterioração do seu estado de saúde, pedimos que eles permitam imediatamente o acesso a médicos independentes necessários", afirmou a jornalistas.

Ned Price insistiu que "não deve haver dúvidas de que haverão consequências" se algo acontecer ao opositor russo, reiterando o alerta enviado pela Casa Branca no domingo.

"Estamos certamente a considerar medidas políticas adicionais e não hesitaremos em recorrer a elas, se for do nosso interesse e no interesse dos Direitos Humanos na Rússia, em ligação à situação de Navalny", acrescentou, recordando que os EUA já tinham imposto sanções em Março às autoridades russas sobre o mesmo assunto.

Alexei Navalny, em greve de fome, está extremamente fraco e maltratado num hospital para prisioneiros com tuberculose, o que alarmou os seus advogados, que exigiram hoje a sua transferência para Moscovo, após lhe terem feito uma visita.

O porta-voz da diplomacia norte-americana Ned Price assegurou que Washington "comunicou" a sua posição a Moscovo "sem ambiguidades", "em público" mas também "por outros canais".

"Como eles são responsáveis pela deterioração do seu estado de saúde, pedimos que eles permitam imediatamente o acesso a médicos independentes necessários", afirmou a jornalistas.

Ned Price insistiu que "não deve haver dúvidas de que haverão consequências" se algo acontecer ao opositor russo, reiterando o alerta enviado pela Casa Branca no domingo.

"Estamos certamente a considerar medidas políticas adicionais e não hesitaremos em recorrer a elas, se for do nosso interesse e no interesse dos Direitos Humanos na Rússia, em ligação à situação de Navalny", acrescentou, recordando que os EUA já tinham imposto sanções em Março às autoridades russas sobre o mesmo assunto.

Alexei Navalny, em greve de fome, está extremamente fraco e maltratado num hospital para prisioneiros com tuberculose, o que alarmou os seus advogados, que exigiram hoje a sua transferência para Moscovo, após lhe terem feito uma visita.