EUA proíbe entrada de ex-presidente das Honduras acusado de corrupção

  • Mapa Dos Eua
Washington - O Governo americano anunciou hoje que o ex-presidente hondurenho, Porfirio "Pepe" Lobo, foi impedido de entrar no país, por acusações de ter aceite suborno de traficantes de drogas em troca de favores políticos.

Lobo, que governou as Honduras entre 2010 e 2014, e sua esposa, Rosa Elena Bonilla Ávila, não podem entrar nos Estados Unidos "por participação em corrupção significativa", disse o secretário de Estado americano, Antony Blinken.

"Enquanto estava no cargo, o presidente Lobo aceitou subornos da organização narcotraficante Los Cachiros, em troca de favores políticos", afirmou Blinken, em comunicado.

"Como primeira-dama, Rosa Lobo cometeu actos significativos de corrupção por meio de fraude e desvio de recursos públicos para benefício pessoal", completou.

Blinken destacou que, embora esses actos "tenham minado a estabilidade das instituições democráticas das Honduras", o ex-presidente ainda não foi condenado e a ex-primeira-dama foi solta da prisão enquanto aguarda por um novo julgamento.

Pelos mesmos motivos, também foram proibidos de ingressar nos Estados Unidos: os filhos Fabio Porfirio Lobo e Ambar Naydee Lobo Bonilla, e o caçula, cujo nome não foi informado.

O Departamento de Estado já havia incluído o ex-presidente Lobo e a esposa numa lista de dirigentes e de ex-governantes "corruptos e não democráticos" da América Central, conhecida como Lista Engel e divulgada no início deste mês.

Lobo, que governou as Honduras entre 2010 e 2014, e sua esposa, Rosa Elena Bonilla Ávila, não podem entrar nos Estados Unidos "por participação em corrupção significativa", disse o secretário de Estado americano, Antony Blinken.

"Enquanto estava no cargo, o presidente Lobo aceitou subornos da organização narcotraficante Los Cachiros, em troca de favores políticos", afirmou Blinken, em comunicado.

"Como primeira-dama, Rosa Lobo cometeu actos significativos de corrupção por meio de fraude e desvio de recursos públicos para benefício pessoal", completou.

Blinken destacou que, embora esses actos "tenham minado a estabilidade das instituições democráticas das Honduras", o ex-presidente ainda não foi condenado e a ex-primeira-dama foi solta da prisão enquanto aguarda por um novo julgamento.

Pelos mesmos motivos, também foram proibidos de ingressar nos Estados Unidos: os filhos Fabio Porfirio Lobo e Ambar Naydee Lobo Bonilla, e o caçula, cujo nome não foi informado.

O Departamento de Estado já havia incluído o ex-presidente Lobo e a esposa numa lista de dirigentes e de ex-governantes "corruptos e não democráticos" da América Central, conhecida como Lista Engel e divulgada no início deste mês.