EUA realizam cimeira Covid-19 à margem da Assembleia Geral da ONU

  • Joe Biden, Presidente dos EUA
Washington - O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, vai realizar uma cimeira virtual sobre a Covid-19 na quarta-feira, à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas, anunciou a Casa Branca.

"Este encontro tem como objectivo expandir e fortalecer os nossos esforços conjuntos" e "alinhar com uma visão comum para derrotar a covid-19", adiantou a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, em comunicado, citado pela agência France Presse (AFP).

O encontro basear-se-á em reuniões anteriores de líderes e ministros mundiais do G7 ou do G20 e será realizada um dia depois de Joe Biden discursar na Assembleia Geral da ONU.

A Casa Branca disse esperar que os participantes aumentem as suas ambições de vacinação, disponibilidade de testes e medicamentos, que desenvolvam um "mecanismo de financiamento sustentável para a segurança sanitária e a liderança global para ameaças emergentes" e fixem objetivos comuns.

A lista de convidados para esta cimeira não foi especificada pela Casa Branca, que fornecerá mais informações sobre este evento "nos próximos dias".

Joe Biden apresentou os Estados Unidos como líder mundial na luta pela vacinação, mesmo que esta afirmação seja recebida com cepticismo por algumas organizações não-governamentais de saúde.

O país, no entanto, é o maior doador de vacinas, um movimento que Biden compara com a entrada dos militares norte-americanos na Segunda Guerra Mundial.

"Este encontro tem como objectivo expandir e fortalecer os nossos esforços conjuntos" e "alinhar com uma visão comum para derrotar a covid-19", adiantou a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, em comunicado, citado pela agência France Presse (AFP).

O encontro basear-se-á em reuniões anteriores de líderes e ministros mundiais do G7 ou do G20 e será realizada um dia depois de Joe Biden discursar na Assembleia Geral da ONU.

A Casa Branca disse esperar que os participantes aumentem as suas ambições de vacinação, disponibilidade de testes e medicamentos, que desenvolvam um "mecanismo de financiamento sustentável para a segurança sanitária e a liderança global para ameaças emergentes" e fixem objetivos comuns.

A lista de convidados para esta cimeira não foi especificada pela Casa Branca, que fornecerá mais informações sobre este evento "nos próximos dias".

Joe Biden apresentou os Estados Unidos como líder mundial na luta pela vacinação, mesmo que esta afirmação seja recebida com cepticismo por algumas organizações não-governamentais de saúde.

O país, no entanto, é o maior doador de vacinas, um movimento que Biden compara com a entrada dos militares norte-americanos na Segunda Guerra Mundial.